Único misturam

Israel e seus Inimigos

2020.09.15 02:44 josianemoreira Israel e seus Inimigos

Tudo começou na época de Abraão, quando ele e Sara tiveram seu filho Isaque, o filho da promessa, que deu origem ao povo judeu pp.dito. Porém, antes Abraão havia tido um filho com sua escrava Hagar, Ismael, que casando-se com uma egípcia deu origem a doze príncipes que povoaram aquela região. Descendentes de Abraão, Ló e o filho rebelde de Isaque, Esaú, se misturam com os ismaelitas, dando origem aos povos vizinhos (adonitas, amonitas, amalequitas, moabitas, hagarenos, ismaelitas) que juntaram-se aos filisteus, cananeus e outros povos com um único objetivo: – destruir a linhagem da promessa, Israel. Depois vieram os babilônios, os persas, os gregos, os romanos, os turcos, os árabes, e mesmo vários segmentos do cristianismo, como ocorrido na época dos cruzados, a inquisição, os pogroms, o holocausto, as intifadas e agora os terroristas do Hamás, Hisbolah, Isis, e outras facções do Islam, sempre com o mesmo objetivo, a aniquilação de Israel.
Clique aqui e encontre Camiseta Evangelica com temas judaicos
Se o judeu é o povo da Bíblia, então o maior legado de Israel para a humanidade é seu livro divino e inspirado por D´us. O que diz então este livro sobre esta hereditária perseguição e desejo de aniquilar Israel, varrendo-o do mapa?
Foi então que me concentrei nas passagens bíblicas que pudessem trazer luz ou pelo menos uma explicação razoável no sentido de entender a importância de Israel para as nações através do tempo e do plano divino. Portanto, não há como entender a inimizade dos países vizinhos e mesmo a maioria das nações que se posiciona contra Israel sem levarmos em consideração os aspectos espirituais deste conflito milenar.
Meu amigo, apresento a seguir, um contexto bíblico-espiritual na tentativa de explicar o porquê deste conflito. Evidentemente, mesmo os que não crêem na Bíblia poderão conhecer um pouco da história.
Antes de começar, eu gostaria de apresentar neste momento a minha conclusão final: A razão de toda guerra e conflito com Israel está relacionado ao Tikkun Olam (A redenção universal) que virá em breve sobre o planeta Terra e sobre todo o universo. Israel foi comissionado divinamente como nação coorporativa para esta nobre missão. Entretanto, esta missão não o coloca melhor do que nenhuma outra nação, mas faz recair sobre ele uma grande responsabilidade pela qual Israel tem pago um altíssimo preço ao longo de sua existência. A grande verdade é que as forças opositoras do mal ou das trevas, que tanto a Bíblia menciona, sabem que pouco tempo lhes resta para agir (Ap 12:12).
Israel como povo muitas vezes tem se esquecido, ao longo de sua própria história, dessa nobre missão, desse chamado divino e irrevogável. Mas, se recorrermos ao Tanhuma Kdoshim, 10 (um antigo Midrash), escrito antes do Tamuld da Babilônia, veremos que os rabinos da época já entendiam a importância de Israel no contexto universal. Ou seja, Israel é o centro da terra na perspectiva messiânica. Assim, o centro do mundo seria Israel, do mesmo modo que o centro de Israel seria Jerusalém. O centro de Jerusalém seria o Templo; o centro do Templo seria o Aron Hakodesh (a Arca) e o Centro da Arca seria a Torá.
Representação do Midrash Tanhuna Kdoshim: A Palavra do Eterno como centro do universo

Mas, o que é a Torá? No profundo sentido espiritual seria a Palavra de D´us, Sua “davar”ou “logos”. Para mim, a Torá é o Verbo que se fez carne e habitou entre nós, segundo João (1:14), apóstolo e seguidor de Yeshua, o Messias, em sua primeira vinda. Na sua primeira vinda, Yeshua veio para trazer as Boas Novas de redenção para a humanidade; veio como profeta, como Filho do homem (Ben Adam), como gostava de ser chamado. Mas, em sua segunda vinda, virá como Rei (Ben David) e Sacerdote para implantar o Seu Reino Messiânico de Justiça, Paz e Alegria (Rm 14:17), reinando sobre as nações de Jerusalém, exatamente do Templo de Salomão que será reconstruído no Monte Moriá, segundo o profeta Ezequiel.
O profeta Ezequiel, em exílio na Babilônia no ano 598, A.C, entendeu claramente o porquê de Israel estar em exílio por 70 anos. Israel vivia como as demais nações na tríade da idolatria, adultério e apostasia. Ezequiel vê Israel saindo dos propósitos divinos e em luta constante com seus vizinhos. Depois, num outro tempo, Ezequiel vê as nações da terra marchando contra Israel. Sobre isto, gostaria, para efeitos didáticos, fazer uma “midrash” de vários textos bíblicos, resumindo no seguinte:
Os três tipos de inimigos de Israel em três tempos:
I. Primeiro Tempo – Os vizinhos inimigos de Israel.
Os capítulos 25 a 32 de Ezequiel mencionam os vizinhos de Israel como seus inimigos. Todos tem em comum um único propósito: destruir Israel! Quem são eles?
Amon, Moabe, Edom, Filístia, Tiro, Sidon e Egito. Asafe, salmista contemporâneo do Rei David, escreveu no Salmo 83 que os vizinhos inimigos de Israel são: Edom (descendentes de Esaú), Ismaelitas (descendentes de Ismael), Moabe (descendentes de Ló com sua filha mais velha), Hagarenos descendentes de Hagar), Gebal (fenícios e parte do Líbano), Amom (filhos de Ló com a filha mais nova), Amaleque (descendentes de Esaú), Filisteus (habitavam em Jope e Gaza), Tiro e Assíria (parte da Síria e Iraque). No Salmo 83, é dito que esses povos formaram uma liga, um conselho (federação) com um único objetivo: Riscar Israel do Mapa! (Vinde, e apaguemo-los para que não sejam nação, nem seja lembrado mais o nome de Israel – verso 4). Ou seja, podemos fazer uma correlação entre os textos de Ezequiel (25-32) com o Salmo 83 e chegar à conclusão que todos esses povos foram inimigos ferrenhos de Israel e tentaram destruí-lo, impedindo que o povo hebreu conquistasse e tomasse posse da Terra prometida a Abraão, a terra de Canaã. Interessante notar que nenhum desses povos prevaleceu na terra. Todos esses povos possuem vestígios no atual povo árabe, hoje os vizinhos de Israel. E o mais interessante é que o mesmo espírito e desejo de destruir Israel continua vivo. Portanto, Israel deverá estar atento sempre aos seus novos “antigos” vizinhos.
Resumindo:
a) Esses antigos vizinhos foram e serão ainda derrotados no futuro segundo o salmista. Isto nos mostra que existirão países vizinhos de Israel que tentarão alcançar seus antigos objetivos: Apagar Israel do Mapa. Podemos então dizer que esses vizinhos tentarão impedir a existência de Israel, isto é, do povo e da terra de Israel ainda nos dias de hoje.
b) Motivo espiritual: impedir que as profecias messiânicas se cumpram quanto à terra de Israel e seu povo para a chegada do Messias e de seu Reino universal (Tikkun Olam).
II) Segundo Tempo – A coligação das nações, inimigos de Israel.
Representada em Apocalipse como a Grande Babilônia (Ap 17 a 20) constituída por dez reis ou nações ou coligações das nações, onde aparecem figuras como o Dragão (satanás), a Besta e o Falso Profeta (Ap19). A tríade do espírito da Babilônia é a idolatria, a prostituição e a apostasia. Podemos dizer que idolatria é tudo aquilo que afasta o homem do verdadeiro D´us; a prostituição é tudo aquilo que corrompe relacionamentos e valores morais, e apostasia é a conseqüência natural de afastar o homem do Seu Criador, da fé, das bênçãos e promessas. Hoje, vemos claramente que as nações estão se alinhando para a formação desta liga babilônica, onde Israel é o centro dessa oposição. É interessante notar que a Europa tem sido invadida por mulçumanos oriundos dos países árabes e da África, principalmente. Nota-se também que os países europeus tornam-se cada vez mais antagonistas ao Estado judeu. Facções da ideologia nazista tem crescido no mundo todo, bem como o antissemitismo. O espírito do mal que nos tempos bíblicos tentava impedir Israel de se estabelecer e existir, aparece ao longo da história na destruição do primeiro Templo por Nabucodonosor, do segundo Templo por Tito de Roma, seguido depois pelos Cruzados, Inquisição, Pogroms, Holocausto, intifadas, e no momento, a coligação de terroristas islâmicos.
Objetivo final: Tentar impedir a vinda (retorno) do Messias e de Seu Reino Milenar, o Tikkun Olam. Pois segundo as profecias, o Messias Yeshua volta para Israel, não para outro país. Porém, essa “babilônia” será destruída na batalha no Vale do Armagedon, ou Megido, ou Vale de Jesreel, o vale do juízo, onde o Messias adentrará com seus eleitos e vitoriosos, destruindo a besta e o falso profeta, lançando-os no abismo, no lago de fogo e enxofre. O Dragão, satanás, será preso por mil anos (Ap19:20 e 20:2). Quase todos os profetas bíblicos desde Isaías até Malaquias fizeram menção quanto ao “Iom há Din” o grande e temível dia do Senhor, o dia do juízo das nações.
III) Terceiro Tempo – Coligação das nações com Gogue e Magogue contra Israel no final da era milenar
Mesmo após o Reino de D´us ser implantado nesta terra pelo Messias Yeshua (para aqueles que Nele crêem), aparecerão no final da era milenar povos e nações que se rebelarão contra todo o propósito deste Reino messiânico. Inacreditável, mas isto acontecerá segundo as profecias. O profeta Zacarias (Zc 14:16) menciona que neste período de 1000 anos de paz na terra, as nações subirão de ano a ano a Jerusalém para adorarem o grande Rei Messias e para celebrarem a festa de Sucot (Tabernáculos), mostrando a paz no mundo e a alegria por termos um Rei soberano sobre todas as nações. Nesta época haverá três tipos de pessoas vivendo na terra. O primeiro será constituído por aqueles crentes em Yeshua que morreram no Messias, mas que ressuscitaram por ocasião que antecedeu a Sua vinda, no arrebatamento da Igreja, judeus e gentios juntos no Messias (I Te 4:13:16). O segundo tipo foram aqueles crentes que não passaram pela morte, mas também tiveram seus corpos glorificados na vinda de Yeshua (ITe13:15) e o terceiro tipo serão pessoas que nascerão durante a era milenar. Eles levarão uma vida normal no período milenar, mas no final do milênio satanás será solto e levará grande parte desses a uma rebelião contra D´us e o Messias. Porém, serão destruídos pelo fogo que cairá dos céus (Ap20:7-10). Quem serão esses povos que se rebelarão contra D´us no Reino milenar de Yeshua? Ezequiel, nos capítulos 38 e 39, e também Ap 20:8, mencionam Gogue, chefe de Meseque e Tubal, Pérsia, Cuche, Pute, Gomer e Togarma. Quem são esses povos?
Gogue representa uma entidade de satanás. Meseque (filho de Jafé, deu origem aos europeus); Tubal (assírios); Persa (Irã); Cuxe (descendentes de Cão, os Líbios, p. ex.); Gomer (descendentes do filho mais velho de Jafé, os Cimérios, arianos que vieram da Ucrânia e Rússia) e finalmente Togarma (povo de Carmequis, Turquia). Muito interessante analisar que esses povos serão os arqui-inimigos de Israel e do reino messiânico.
Objetivo final: no final do milênio, segundo a Bíblia, haverá o juízo final e a ressurreição de todos aqueles que não passaram pela primeira ressurreição (dos salvos em Yeshua). Portanto, o objetivo de Gogue e Magogue com suas nações coligadas será impedir o Juízo final, por isso, tentarão pela última vez destruir a sede do Reino Milenar, Jerusalém – Israel. Em outras palavras, satanás tentará anular o juízo final e a condenação que virá para seus seguidores (Ap 20:7-15).
Indicação das nações da coligação “Gogue” e “Magogue”
PORÉM, HÁ UM GRANDE MISTÉRIO QUE NÃO PODEMOS ENTENDER, não nos sendo revelado: – Como sendo o D´us de Abraão, Isaque e Jacó, o D´us de Israel, um Deus definido pela Bíblia como AMOR , pode ser chamado pela própria Bíblia de D´us dos Exércitos de Israel (ICr 11:9;ICr17:24; I Sm17:45) ou o D´us das batalhas (Sl24:8; ISm25:28) ou o D´us que adestra as mãos de Israel para a guerra (Sl144:1)?
Lembremo-nos que D´us não muda (Ml 3:6). Ele é o mesmo D´us de ontem, de hoje e de sempre. Portanto, concluímos que Ele continua sendo o D´us dos Exércitos de Israel nos dias de hoje.
Eu não posso entender como um D´us definido como amor, paz, justiça, alegria e tantos outros atributos, pode se posicionar ainda hoje como o D´us dos Exércitos de Israel! Isto é difícil de entender, mas é verdade.
Poucos conseguem ver que D´us trabalha em tempos e propósitos consecutivos: Adão perde pelo livre arbítrio o Reino terreno sob o comando celestial e toda a humanidade tem sofrido grandemente as consequências deste pecado da separação: guerras, fome, miséria, corrupção, perda dos valores morais, deterioração da família, etc. Portanto, D´us dá inicio ao processo de Redenção, escolhendo primeiro um povo e uma terra para se manifestar, mostrando seu propósito, dando a este povo a Sua Torá. Este povo precisaria de aprendizado, de disciplina e de temor a D’us. Assim, D´us o coloca por 430 anos para ser escravo no Egito. Depois, D´us através de Moisés o leva para a terra de Canaã, a terra prometida para que jamais deixassem aquele local. Logo a seguir, D´us levanta seus profetas que preconizam e ensinam sobre a era messiânica e o papel de Israel, em específico, da Tribo de Judá, da qual sairia o Messias em sua primeira vinda. Um grande feito divino que marcou o mundo antes e depois dele foi a redenção individual do Messias há dois mil anos, permitindo às nações, através do Mashiach, usufruir das alianças, das promessas e das bênçãos de Israel. O muro de separação foi quebrado entre Israel e as nações. D´us queria que Seu Reino começasse em cada coração, ainda no interior, na alma, tanto para os judeus como para os gentios que crêem em Seu Filho, o Mashiach!(Ef 2:11-22).
Dois mil anos se passaram. D´us permite que Israel subsistisse entre os povos, ajuntando-os dos cantos da terra e levando-os para a terra de seus pais. Israel floresce como povo e nação, preparando-se para o grande dia em que seus olhos serão abertos e receberão o messias Yeshua como Seu Rei (Rm11:26). Este tempo se aproxima e aqui faremos um parêntese, uma pausa, para que as profecias messiânicas continuem a se cumprir em Israel e no mundo.
Se realmente cremos que Ele é amor, então, só entenderemos no final e no tempo messiânico o porquê de todo este conflito com Israel através da história humana. Lá saberemos e comprovaremos que realmente a humanidade receberá o melhor Dele, o Seu amor! Ele só ama Israel porque ama todas as nações. Ele quer o melhor para as nações e, por isso, escolheu Israel e seu povo para ser a luz para as nações (Isaias 42:6) através Daquele (O Mashiach) que vêm Dele para reinar sobre toda a terra, estabelecendo o Seu shalom, a Paz!
Yeshua, em sua primeira vinda, falou muito deste Reino de D´us que começa primeiro em nosso coração. Mas em breve ele será real! A terra viverá em paz, Israel florescerá e dará frutos ao mundo. As nações da terra subirão a Jerusalém para adorar o grande Rei. O próprio Yeshua, quando se despediu de seus discípulos num Seder de Pesach (Ceia de Páscoa), disse que desde aquele momento não beberia mais do fruto da videira (vinho, kidush de Pesach) até aquele dia em que conosco beberá de novo, no Reino do Pai (Mt 26:29). Ele mesmo declarou à Jerusalém: “Declaro-vos, pois, que, desde agora, já não me vereis, até que venhais a dizer: “Baruch há Ba BeShem Adonai” – Bendito o que vem em nome do Senhor! (Mt 23:39)
submitted by josianemoreira to u/josianemoreira [link] [comments]


2020.09.06 17:54 napoleonc espy

Dons e habilidades específicas de IP

Esses gráficos fornecerão apenas o bônus que esses dons / habilidades dão ao sistema de IP. Para todos os bônus / dons / habilidades oferecidos por IP / SA, consulte o gráfico acima.

Como funciona!

Quando uma cena é postada, desde que não esteja ocorrendo em um exército em movimento (exércitos em fortalezas / cidades / etc. Serão lançados neste sistema), um moderador rola em um canal público de rolagem para determinar se um espião ouviu o conteúdo.
Este teste é acionado por um pedido do jogador. Basta enviar o seguinte formato:
**IP Rolagem Requerente** **Alvo:** [Cena] 
Os parâmetros para cenas públicas são os seguintes:
Os parâmetros para cenas privados são os seguintes:
Cenas públicas x privadas geralmente se resumem a se uma conversa está ocorrendo a portas fechadas ou ao ar livre. Por exemplo, em Porto Real, uma discussão ocorrendo nos jardins da Fortaleza Vermelha é considerada pública. Uma discussão ocorrendo nas câmaras do Pequeno Conselho é considerada privada.

Determinando quem recebe informações

Após um IP roll bem-sucedido, uma lista de espiões presentes é lançada em um randomizador de lista.
Um teste é feito em um d20 para determinar quantos anéis presentes, em uma escala de porcentagem, aprendem sobre os eventos do segmento.
Os parâmetros são os seguintes:
Digamos, por exemplo, que Lady Redwyne e Lord Roxton estão conversando nos mercados fora de Jardim de Cima e o IP é bem-sucedido. O resultado do teste acima é um 20 natural, o que significa que 50% dos anéis na Campina aprenderão as informações neste tópico (de uma forma ou de outra). Se houver 20 anéis ao alcance, 10 deles aprenderão. Para determinarmos quais 10 aprenderam sobre esse tópico, a lista de 20 anéis é enviada ao gerador de lista aleatória. Um 10d20 é lançado, 10 representando quantos anéis aprenderão da informação e 20 representando o número total de anéis presentes. Os 10 números resultantes gerados pelo teste serão então comparados com a lista aleatória. Digamos que os resultados sejam 1, 9, 11, 5, 12, 11, 20, 19, 15, 5. Os proprietários desses anéis serão notificados com uma pequena sinopse no sabor de um relatório de espionagem sucinto isso diz a eles o que aprenderam.
Se um jogador tem mais de 1 anel em uma área, e eles rolaram duas vezes, não haverá relançamento. Isso representa o poder do personagem em uma área; quanto mais anéis você tem em uma área, mais chances você tem de aprender sobre um tópico e menos chances de outros mestres espiões aprenderem sobre uma cena.
A lógica por trás de ter uma boa quantidade de anéis aprendendo informações não é que eles estarão todos presentes naquela cena em si, mas que esses espiões aprenderão sobre essas informações através de suas conexões subterrâneas. A notícia se espalha, mesmo que seja sobre algo relativamente inofensivo. A intriga desempenha um grande papel no Grande Jogo.
Aqueles que aprenderem sobre o conteúdo das cenas saberão de tudo, incluindo conversas que continuam após a rolagem.

Anéis defensivos

Se a sua cena for espionada e você tiver anéis na área em que essa cena está ocorrendo (mesmo que você esteja apenas participando da cena) e seu anel for um daqueles rolados para receber a informação, você será informou que espiões tentaram (e podem ter) fugido com algumas informações. Isso representa uma espécie de sistema anti-espionagem.

Ações de IP na Virada de Turno

Devido à abordagem minimalista que adotamos com este sistema, a única participação ativa dos membros é através da virada de turno.
A virada de turno é onde você poderá mover seus anéis de uma região para outra. Não há negativos para mover seus anéis.
Lembre-se: Se você criar um personagem ou aprender uma habilidade que forneça anel (eis) para você, envie um ModMail ou mensagem para um adm com a localização do (s) seu (s) anel (eis).
Você DEVE enviar uma ficha a cada lua para manter seu status de atividade de IP. Se você não mover nenhum de seus anéis, use o formato de Atividade abaixo.
Formato de solicitação de movimento de anel único:
**Nome do Personagem:** **Movendo Anel:** [Região atual] para [Região de destino] Formato de solicitação de movimento do anel múltiplo: **Nome do Personagem:** **Movendo Anel:** [Região Atual 1], [Região Atual 2] para [Região de Destino] Formato Ativo (se você não quiser mover nenhum anel, poste este): **Nome do Personagem:** **Todos Anéis Parados:** 
Exemplo para solicitação de movimento de anel único:
Nome do personagem: Qarl Frey
Mova o Anel: Tridente para Porto Real
Exemplo para solicitação de movimento de vários anéis:
Nome do personagem: Qarl Frey
Move Rings: 2 anéis norte, 2 anéis Tridente para Porto Real
Exemplo 2 para solicitação de movimento de vários anéis:
Nome do personagem: Qarl Frey
Mover anéis: 1 anel norte para Tridente
Move Rings: 2 Anéis Vale, 2 Porto Real rings para Terras da Coroa
Mover anéis: 2 anéis de Porto Real para Dorne

Subterfúgio Ativo

A inteligência passiva é apenas metade do sistema, se tanto. O restante reside em subterfúgio ativo e suas ações relacionadas, incluindo Assassinatos, Sabotagem e Espionagem Militar.
A inteligência passiva e o subterfúgio ativo não se misturam. Este é um sistema separado de seus anéis passivos de coleta de inteligência. Seus anéis IP têm impacto direto zero em qualquer uma das mecânicas do Active Subterfuge abaixo.
Para participar do sistema Active Subterfuge, você precisa de um dos três tipos de Agentes: Assassino, Sabotador e Mole. Presentes e habilidades fornecem a você esses agentes, conforme listado abaixo. Ao contrário do IP, SA concentra-se em áreas / cidades / locais específicos e não em regiões como um todo.
Para utilizar seus agentes, você deve se envolver com a virada de turno. Subterfúgio Ativo é estritamente um sistema baseado em virada de turno, diferente da solicitação final assim que você estiver pronto para iniciar. Seus agentes criam níveis de infiltração em locais estáticos. Mais sobre isso abaixo.

Dons e habilidades específicas do SA

Esses gráficos fornecerão apenas o bônus que esses dons / habilidades proporcionam ao sistema SA. Para todos os bônus que os dons / habilidades de IP / SA oferecem, consulte o gráfico no topo desta página.

Infiltrações

Para sequer pensar em utilizar seus agentes e seus dons / habilidades, você deve ter agentes infiltrados em uma área / exército. Você só pode solicitar 1 infiltração por lua por agente que você possui. Você NÃO pode empilhar seus agentes em uma área para ter várias chances de aumentar seu nível de infiltração. Apenas um agente por área é permitido.
Você pode empilhar UM Assassino e UM Sabotador em um local, mas não mais de um agente de cada tipo em um local.
Seus agentes começarão sem atribuição. Você DEVE ter sucesso em um teste de infiltração para que seus agentes sejam estabelecidos em um local.
Seus agentes DEVEM permanecer na área / região para aumentar os níveis de infiltração. Se eles forem transferidos para outra área, seus níveis de infiltração serão redefinidos. Por exemplo, se na Lua 1 você usar com sucesso um agente para construir infiltração em Rochedo Casterly, e então na lua 2 você usar esse agente com sucesso em Winterfell, você perderá seu (s) nível (is) de infiltração em Rochedo Casterly.
Ao contrário do PI, você deve especificar um local, não uma região. Os dons e habilidades terão efeitos nos testes e serão listados em suas respectivas seções abaixo. Os parâmetros para infiltrações são os seguintes:
Cada tipo de subterfúgio terá seus próprios requisitos de infiltração. Por exemplo, você precisa completar 6 infiltrações antes de solicitar uma jogada de assassinato contra o rei. Não é tão fácil quanto parece.
As infiltrações são a substituição para os requisitos de prontidão, coleta de informações / ação não destrutiva / destrutiva do sistema antigo.
O sabor dentro do universo para infiltrações são seus agentes lentamente, ao longo do tempo, construindo suas informações sobre o alvo. Isso poderia ser memorizar as rotas de patrulha de guarda, memorizar as rotas para entrar e sair facilmente, obter um disfarce, preparar materiais, etc. O subterfúgio não foi feito para ser fácil e isso representa o trabalho árduo dos agentes e seus espiões em tentativas de subterfúgio .
Nota: Se o seu pedido de subterfúgio for bem-sucedido, seus níveis de infiltração na área serão eliminados completamente até 0.

Interrogando Agentes Capturados

Sempre que um Agente é capturado, seja nas infiltrações ou nos testes de tentativa Ativos, 2 testes serão feitos usando os seguintes parâmetros:
Se o espião mestre do Agente tiver o dom insidioso:
1: O lançamento deve ser um 20 natural , ou seja , o lançamento básico sem quaisquer modificadores.
Se os espiões mestres tiverem colaborado e um agente for pego na tentativa, o primeiro conjunto de parâmetros aqui será utilizado mesmo se algum dos mestres espiões envolvidos tiver o dom Insidioso. Se o interrogatório for bem-sucedido, o mestre espião que tem o dom Insidioso não será revelado, a menos que o teste seja um 20 natural.
Se todos os mestres espiões envolvidos tiverem o dom Insidioso, o segundo conjunto de parâmetros será usado.

Ações de SA na Virada de Turno

A virada de turno é onde você solicitará suas jogadas de infiltração e moverá seus agentes.
Observação: mover o agente com sucesso perderá todos os níveis de infiltração em sua localização atual. Você deve solicitar uma tentativa de infiltração para obter níveis de infiltração.
Aqui está o layout para a configuração inicial de seus agentes:
**Nome do Personagem:** **Dons/Habilidades:** **Ação:** [Tipo de Agente], Infiltração [Local] 
Se o procedimento acima for bem-sucedido, você ganhará 1 nível de infiltração no local. Para continuar a construir níveis de infiltração , você deve enviar a seguinte ação:
**Nome do Personagem:** **Dons/Habilidades:** **Ação:** [Tipo de Agente e Local], Infiltrado, [Nível da Infiltração atual] 
Para mover seus agentes , você deve enviar a seguinte ação:
**Nome do Personagem:** **Dons/Habilidades:** **Ação:** [Tipo de Agente e LOcal], Infiltração [Novo Local] 
Nota: Se o teste acima for bem-sucedido, você perderá todos os níveis de infiltração em seu local original .
Exemplo para configuração inicial de agentes:
Nome do personagem: Qarl Frey
Dons / Habilidades: Subversivo / Sabotagem (e), Investigar
Ações: [Sabotador], Infiltrar [Correrrio]
Exemplo para construir níveis de infiltração:
Nome do personagem: Qarl Frey
Dons / Habilidades: Subversivo / Sabotagem (e), Detetive
Ações: [Sabotador Correrrio], Infiltrar-se, [1]
Exemplo para movimentação de agentes:
Nome do personagem: Qarl Frey
Dons / Habilidades: Subversivo / Sabotagem (e), Detetive
Ações: [Sabotador de Correrrio], Infiltrar [Harrenhall]

Assassinatos

Se você está construindo níveis de infiltração de assassinos em um local, presume-se que você, bem, deseja assassinar alguém lá. Existem custos de infiltração específicos para seus alvos que você deve trabalhar. Conforme a meta fica mais importante, o custo de infiltração aumenta. É objetivamente mais difícil assassinar um Lord Suserano ou Rei do que um Lord menor ou um Plebeu..
O alvo não precisa ser nomeado até a solicitação de rolagem final (enviada ao Homem Comum). Esteja avisado, se você não tiver infiltração suficiente salva, sua solicitação será negada se for determinado que seu alvo é um nível superior ao que você salvou.
Para os parâmetros de infiltração, consulte a seção Infiltrações acima.

Dons / habilidades específicas para assassinato

Este gráfico fornece apenas o bônus que esses dons / habilidades podem fornecer para testes de infiltração de Assassínio e testes de tentativa de Assassínio.

Tentativa de Assassinato

O dia chegou. O dia que você, junto com possíveis co-conspiradores, planejou para muitas luas. No final das contas, isso realmente não se resume a um único teste ... porque cada teste de infiltração foi um planejamento meticuloso e paciência. A dificuldade vem do planejamento, não da ação final.
Aqui estão os parâmetros básicos de tentativa:
Se sua tentativa de assassinato for contra um personagem com uma guarda de PERSONAGEM DE JOGADOR especificada, como o Rei / Rainha ou um membro da Família Real com uma Guarda Real / Guarda Rainha atribuída a eles for bem-sucedida, um teste adicional será necessário:
Para representar o treinamento de um Assassino, seu limite de duelo será 60/3

sabotar

Existem vários tipos diferentes de sabotagem em que seus agentes podem participar. Abaixo estão os vários níveis de infiltração necessários para várias ações de sabotagem.
Abaixo está uma descrição sucinta sobre a que cada um dos tipos de Sabotagem pode ser aplicado:
Ler uma carta fornecerá a você o conteúdo da carta, mas alertará o destinatário de que a carta foi lida. Ler os planos de guerra fornecerá a você apenas a ordem de movimento inicial se originado do local em que seu Sabotador está (por exemplo, Lannister movendo uma quantidade X de tropas de Rochedo Casterly para Porto Real).
Para os parâmetros de infiltração, consulte a seção Infiltrações acima.

Sabotar dons / habilidades específicas

Este gráfico fornece apenas o bônus que esses dons / habilidades podem fornecer para testes de infiltração de Assassinato e testes de tentativa de Assassinato.

Tentativa de Sabotagem

O dia chegou. O dia que você, junto com possíveis co-conspiradores, planejou para muitas luas. No final das contas, isso realmente não se resume a um único teste ... porque cada teste de infiltração foi um planejamento meticuloso e paciência. A dificuldade vem do planejamento, não da ação final.
Aqui estão os parâmetros básicos de tentativa:

Solicitação de tentativas de assassinato / sabotagem

Enquanto as jogadas de infiltração são solicitadas através da virada de turno, você deve notificar o Homem Comum com sua solicitação para usar os níveis de infiltração do seu agente.
O formato da ficha deve ser o seguinte:
**Nome do Personagem:** **Dons/Habilidades:** **Localização do Agente e nÍVEL DE iNFILTRAÇÃO:** **aÇÃO rEQUESITADA:** [List one of the sabotages, or Assassination] **Action Target:** [Who/where will be the target?] **Notas:** [Anything relevant to use for flavor purposes in writing the attempt up.] 
Exemplo de solicitação de tentativa de sabotagem:
Nome do personagem: Qarl Frey
Dons / Habilidades: Subversivo / Sabotagem (e), Investigar
Localização do agente e nível de infiltração: Correrrio, 5
Ação solicitada: Destruição Principal
Alvo de ação: armazenamento de alimentos em Correrrio
Notas: Este será um incêndio criminoso que atinge as lojas de alimentos e queima as colheitas armazenadas para o inverno.
Exemplo de solicitação de tentativa de assassinato:
Nome do personagem: Qarl Frey
Presentes / Habilidades: Cruel / Assassino (e),Investigar
Localização do agente e nível de infiltração: Correrrio, 5
Ação solicitada: assassinato
Alvo da ação: Lord Tully
Notas: Se for bem-sucedido, o assassino estrangulará Lorde Tully em seu sono e então cortará sua orelha.

Espionagem Militar

O funcionamento da Espionagem Militar é passivo em relação à coleta de informações, ao invés de ativo. Existem níveis de espionagem militar, cada um abrindo mais informações para o espião mestre.
Um espião mestre DEVE rolar para se infiltrar em sua Mole a cada turno , mesmo no nível 5. Isso ocorre porque a coleta de informações é constante e, portanto, sempre deve haver uma chance de capturar o espião. Se o espião mestre perder um segmento de turno, seu nível de infiltração diminuirá em 1 (para não ser inferior a 1).
Abaixo está uma lista de quais informações cada camada de infiltração fornece:

Dons / habilidades específicas para espionagem militar

Espionagem Militar Turn Thread Action

Essas ações de sequência de turnos não são diferentes de Assassinato e Sabotagem, elas requerem apenas uma informação adicional.
Para determinar com qual exército seu Mole está, você deve incluir um link para o comentário de ordem de movimento do segmento de turno mais atual desse exército em seu link. Mover sua Mole fará com que você perca todas as camadas.
**Nome do Personagem:** **Dons/Habilidades:** **Ação:** Mole, Infiltração [Local] 
Se você quiser mover sua Mole para outro exército, você pode fazer isso usando a seguinte solicitação de ordem:
**Nome do Personagem:** **Dons/Habilidades:** **Ação:** Mole [Exército], Infiltração [Novo Exército] 
Nota: mover sua Mole de um exército fará com que você perca todos os níveis de infiltração.
Exemplo de solicitação de infiltração de toupeira:
Nome do personagem: Qarl Frey
Presentes / habilidades: Schemer / Espionagem (e), Detetive
Ações: Toupeira, Infiltrar [Exército Tully]
Link do tópico de virada do Exército: [link para o pedido mais recente do tópico de virada do Tully Army]
Exemplo de solicitação de movimento de toupeira:
Nome do personagem: Qarl Frey
Presentes / habilidades: Schemer / Espionagem (e), Detetive
Ações: Tully Army Mole, Infiltrate [Stark Army]
Link do tópico de virada do Exército: [link para o pedido mais recente do tópico de virada do Exército Stark]
submitted by napoleonc to testebrr [link] [comments]


2020.05.11 01:06 jhacksondiego Estamos sendo governados por uma política fascistas há quase 2 anos, mas as pessoas tem dificuldade em se convencer. Vou dar aqui alguns argumentos para sustentar isso.

Em outro tópico um user falou que não vivemos em um governo fascista ainda, pois não estamos em uma ditadura. E eu, baseado no livro do Jason Stanley - Como Funciona o Fascismo fiz um levantamento das características do fascismo que ele aponta lá, e como podemos ver todas aqui no Brasil. Apesar desse post ser baseado no livro do Jason Stanley, o George Orwell tem um ótimo livro sobre o mesmo assunto, mas não terminei de ler ainda. Vou deixar o link para download também. O que é o Fascismo e Outros Ensaios - George Orwell. O canal Meteoro Brasil tem também 2 vídeos sobre o assunto. Recomendo assistir: 1984: Pilares do Fascismo e Como Funciona o Fascismo (No Brasil)
Vou copiar a resposta que eu dei ao user:
Então você acha que só é fascista se tiver um ditador? Assim como só é nazismo se tiver antisemitismo no discurso? Parece fácil assim, eu posso seguir toda a cartilha fascista e deixar só um ponto sem preencher, que assim eu não sou fascista, sendo que a presença de um ditador passa longe de ser obrigatória.
Deixo aqui a indicação de leitura do livro do Jason Stanley - Como Funciona o Fascismo
Aqui ele enumera alguns pontos que se fazem presentes na política fascista.
Passado Mítico - Ideia de que antigamente tudo era melhor, antes existia um tempo em que essa bagunça que é hoje não existia e a gente precisa voltar pra lá, pro tempo de prosperidade, antes da perversão que os vagabundos fizeram.
No Brasil? Os fascistas defendem que é a Ditadura Militar. Ou o REGIME Militar, como gostam de eufemizar
Propaganda - Citando do próprio livro:
A propaganda política usa a linguagem dos ideais virtuosos para unir pessoas por trás de objetivos que, de outra forma, seriam questionáveis. (pg 28 do PDF que eu mandei)
No Brasil? BANDIDO BOM É BANDIDO MORTO! Temos que limpar o Brasil da corrupção, e da violência, não importa como seja! Tem que metralhar favela dentro de um helicóptero, pois assim a gente acaba com os traficantes!
Anti-Intelectualismo - Citando do livro novamente:
A política fascista procura minar o discurso público atacando e desvalorizando a educação, a especialização e a linguagem. É impossível haver um debate inteligente sem uma educação que dê acesso a diferentes perspectivas, sem respeito pela especialização quando se esgota o próprio conhecimento e sem uma linguagem rica o suficiente para descrever com precisão a realidade. Quando a educação, a especialização e as distinções linguísticas são solapadas, restam somente poder e identidade tribal. Isso não significa que não haja um papel para as universidades na política fascista. Na ideologia fascista, há apenas um ponto de vista legítimo: o da nação dominante. As escolas apresentam aos alunos a cultura dominante e seu passado mítico. (pg 37 do PDF)
Preciso mesmo exemplificar isso no Brasil, onde membros do governo praticam diariamente revisionismo histórico, onde cientistas renomados são demitidos por divulgar dados públicos sobre queimadas? Onde membros do governo tentam descreditar cientistas lutando contra uma pandemia?
Irrealidade - Citação
Quando a propaganda política consegue distorcer ideais fazendo-os voltarem-se contra si mesmos e as universidades são solapadas e condenadas como fontes de preconceito, a própria realidade é posta em dúvida. Nós não podemos concordar com a verdade. A política fascista substitui o debate fundamentado por medo e raiva. Quando é bem-sucedida, seu público fica com uma sensação de perda e desestabilização, um poço de desconfiança e raiva contra aqueles que, segundo foi dito, são responsáveis por essa perda. A política fascista troca a realidade pelos pronunciamentos de um único indivíduo, ou talvez de um partido político. Mentiras óbvias e repetidas fazem parte do processo pelo qual a política fascista destrói o espaço da informação. (pg 53)
Não vejo necessidade de exemplificar esse né? E só ir no Twitter do presidente, dos filhos, do Ministro da Educação, da Ministra da Mulher.
Hierarquia - Citação
A ideologia fascista, então, aproveita a tendência humana de organizar a sociedade hierarquicamente, e os políticos fascistas representam os mitos que legitimam suas hierarquias como fatos imutáveis. Sua justificativa principal para a hierarquia é a própria natureza. Para o fascista, o princípio da igualdade é uma negação da lei natural, que estabelece certas tradições, das mais poderosas, sobre outras. A lei natural supostamente coloca homens acima de mulheres, e membros da nação escolhida do fascista acima de outros grupos. (pg 69)
Estamos aqui pois somos enviados de Deus. Homem tem que ganhar mais do que mulher mesmo, mulher tem filho e fica afastada, como pode ser justo o homem ganhar o mesmo tanto? A natureza fez a mulher assim
Vitimização -
Na política fascista, as noções diametralmente opostas de igualdade e discriminação misturam-se uma com a outra. (pg 79)
Eu, branco e hétero, sou oprimido por essa turma do MIMIMI, sou perseguido por ser cristão! Sou perseguido por não ser favelado!
Lei e Ordem -
A retórica fascista de lei e ordem é explicitamente destinada a dividir os cidadãos em duas classes: aqueles que fazem parte da nação escolhida, que são seguidores de leis por natureza, e aqueles que não fazem parte da nação escolhida, que são inerentemente sem lei. (pg 92)
Se você não faz parte do padrão, ou segue as regras que o grupo dominante impõe, você é o inimigo. Ou você apoia o Líder Supremo Bolsonaro ou você é nosso inimigo.
Ansiedade Sexual -
Se o demagogo é o pai da nação, então qualquer ameaça à masculinidade patriarcal e à família tradicional enfraquece a visão fascista de força. Essas ameaças incluem os crimes de estupro e agressão, assim como o chamado desvio sexual. A política da ansiedade sexual é particularmente eficaz quando os papéis masculinos tradicionais, como o de provedor familiar, já estão sob a ameaça das forças econômicas. (pg 105)
Os esquerdistas querem tornar seus filhos em homossexuais e acabar com a família tradicional brasileira! Não deixe um transsexual usar o banheiro feminino, ele vai estuprar as mulheres!!!
Sodoma e Gomorra -
Enquanto as cidades, para o imaginário fascista, são a fonte da cultura corrompida, geralmente ocasionada por judeus e imigrantes, o campo é puro. (pg 117)
O que vem da cidade está corrompido, o povo simples da favela é vagabundo. Mas o povo simples do campo está intocado e temos que proteger o homem do campo, armar ele pra proteger suas terras dos invasores
Arbeit Macht Frei -
Na ideologia fascista, o ideal de trabalho duro é utilizado como arma contra populações minoritárias. O partido neofascista francês Le Front National é cruelmente anti-imigração. Representantes do partido rejeitam os imigrantes, taxando-os de parasitas que vivem às custas do trabalho duro e da diligência do “verdadeiro” povo francês.
Pra ter um exemplo recente dessa mentalidade, é só ver as últimas publicações da SeCom. Ou o discurso de que tem que reabrir o comércio no meio de uma Pandemia, pois a economia é mais importante do que alguns poucos mortos.

Então, nossa política federal marca categoricamente todos os pontos no bingo do Fascismo, estamos sendo governados por fascistas ou só podemos chamar de fascistas quando o líder supremo se intitular Ditador?
submitted by jhacksondiego to brasil [link] [comments]


2019.12.31 19:00 Sinclair57827 Fazer uma amizade só aumentou meu sentimento de isolamento

Estou com vontade de escrever. Não vou conter o tamanho do texto, direi o que vier e jogarei a folha ao vento, talvez caia no colo de alguém que terá o interesse de ler.
Fiz uma amizade recentemente - falo isso com alguma insegurança. Gosto muito dela, mas me sinto inseguro ao pensar que ela me consideraria sua amiga. Talvez exista mesmo uma assimetria entre a imagem que faço dela e a que ela faz de mim, pois a partir da minha carência, a exalto. Não sei como as pessoas que têm muitos amigos lidam com esse volume, se os estimam em igual intensidade, se são indiferentes, e se a ausência deles faz alguma diferença. Sempre fui muito sozinho então estimei demais a presença das poucas pessoas que eu realmente gostava - duas ou três. Pensava nelas constantemente, lembrando das conversas e pensando o que diria em outras oportunidades. Me pergunto se elas pensam em mim também, e me entristeço ao considerar que talvez não, mas elas não precisam, nem devem, não posso depositar essas expectativas em ninguém, isso decorre apenas da minha carência.
Tivemos algumas conversas, eu e essa pessoa, e foram boas conversas, genuínas, sinceras e profundas. Fiquei imensamente feliz pela oportunidade, encontrei algo realmente raro, e com a felicidade e o desejo nascem, imediatamente, o temor da perda (quanto tempo passaria até que tivesse outra oportunidade equivalente?). Ela disse que também gostou, e depois fiquei pensando se não foi apenas gentil em me responder, ponderei as palavras que utilizou e as que omitiu. Por que eu sou tão inseguro e paranoico? O que eu precisaria para ser convencido? Que me abraçasse e me enchesse de beijos e elogios? É até um tanto grotesco o que surge quando narcisismo e insegurança se misturam.
Compartilhei algumas experiências, fui honesto de uma maneira muito estranha ao meu jeito usual. Queria deixar tudo sair, abaixar a guarda, já andava cansado de guardar para mim todas as minhas dores e tentando simular qualidades que não tenho, fingir segurança, autossuficiência, confiança, clareza de propósito, alegria. Eu sou inseguro mesmo, sinto medo, acho a vida difícil e confusa. Me sinto sozinho. Acho que muita gente se sente sozinha. É até irônica a quantidade de gente sozinha por aí, tentando esconder e agravando a própria solidão. Mas também sinto coisas boas, a considero minha amiga hoje e sinto vontade de demonstrar afeto, acho que eu sou carinhoso e sinto vergonha e medo de que tornando isso aparente a afastaria de mim, por dar a entender que tenho segundas intenções ou porque ninguém gosta de gente manhosa demais.
Queria que ela compartilhasse também, mesmo os detalhes mais irrelevantes da sua vida. Não por uma curiosidade acerca da sua vida, pois poderia fazer as mesmas perguntas para qualquer um e obteria respostas similares, mas pelo estabelecimento de uma confiança, de cumplicidade. Ela me consideraria próximo o bastante para me dizer como foi seu dia, como se sentiu, e uma memória feliz da infância, ou algo que tenha a tenha deixado melancólica. Mais do que estar na presença de pessoas, gostaria de ser relevante para alguém. Talvez, ir para além da minha esfera pessoal, do isolamento do meu mundo particular, e fazer parte do panorama da vida de outra pessoa.
Mas nada disso foi dito. Talvez seja o jeito dela, ou eu só não sou digno, ou pode ser que o que ela disse era o que ela considerava importante e eu sou, de fato, estimado. E eu não perguntei, na verdade.
Me lembro do que não devia ter dito e do que poderia ter dito melhor, e me sinto culpado e com medo de que isso talvez tenha criado uma má impressão e maculado permanentemente a imagem que ela tem de mim, e uma amizade profunda e potencial já não é mais possível. Paranoia. Não existe método para o nascimento de uma amizade, existe o contato necessário, mas o resultado pode ser um ou outro independentemente da minha vontade, não posso esperar o afeto de ninguém.
Ela não é a primeira e certamente não será a última pessoa que passará pela minha vida, não sei por quanto tempo. Sei que os intervalos entre uma e outra serão grandes. Isso me entristece, não consigo me livrar da ideia de que a condição humana seja, fundamentalmente, a solidão, cada um isolado na sua subjetividade e na sua própria história. Talvez não seja a condição humana mas a minha, certamente, é, quase uma doença crônica, uma dor que as vezes diminui mas está sempre lá.
Minha família não era de demonstrar afeto exacerbadamente, nunca aprendi a ser afetivo, eu era a única criança da casa, me isolei gradualmente dos meus colegas e não fiz um único amigo por todo o colegial. Há um ou outro sujeito com quem converso ocasionalmente, mas não faz diferença. Nunca pertenci a grupo algum, não me identifiquei com ninguém e meu único namoro foi desastroso. Minha alienação se acentuou após ingressar na faculdade, desenvolvi uma obsessão compensatória pelos estudos e passei uns bons 5 anos sem contato com praticamente ninguém, fiz um progresso estrondoso nesse tempo mas a custo do quê? A conquista perde seu glamour quando vejo sua causa, escapo para sonhos megalomaníacos porque a realidade banal é difícil demais para mim. Esses fatos compõem a base da minha vida e não é possível mudá-la, mesmo que eu me desenvolva de tal modo a ter mais pessoas presentes na minha vida, a base que me forma será sempre essa.
Penso em como pode ter sido a vida dela. Completamente diferente, imagino. Abro o seu instagram em um instinto voyeurístico, a vejo feliz com sua família e sinto inveja. Essa é uma mistura de sentimentos bem bizarra, inveja, paixão, felicidade (por vê-la feliz), ressentimento, carência, me sinto pequeno, ela parece inacessível para mim, por que ela manteria por perto alguém como eu? Ela sempre deve ter tido muitos amigos, fez teatro na juventude. Viveu suas aventuras. Como terá sido sua primeira paixão? Será que ela é feliz com seu passado? Eu devia parar de usar redes sociais, me sinto desconfortável quando olho suas fotos, invado sua privacidade e tento me projetar numa vida na qual não pertenço.
Por que me faço essas perguntas? Por que me menosprezo tanto? Poderia estar feliz pela oportunidade que recebi de conhecer alguém legal e esperar até o próximo momento que teríamos para conversar e só o que consigo fazer é rolar de um lado para o outro com essa dor insuportável no meu peito, perdendo a sanidade para a paranoia.
submitted by Sinclair57827 to desabafos [link] [comments]


2019.12.08 06:39 pedreirosarado Minhas Curiosidades Sobre Portugal

Olá, malta. Como é que é?
Eu nasci em São Paulo, sou descendente de portugueses porém todos eles morreram antes de que eu pudesse conhecê-los. Sou o único da minha família interessado em Portugal, porém nunca estive lá, não sei bem como funcionam as coisas. Estou a mudar meu sotaque para o vosso, estou a tentar ao menos haha, e estou a tentar imergir-me ao máximo possível na vossa cultura mas tenho algumas dúvidas que gostava de sanar.
Aqui quando as pessoas vão comprar algo, dizem para o vendedor "eu gostaria de um blah blah blah", o que vocês dizem? "Eu gostava"?
Por que falam tanto do rabo da Carolina Torres? Pá, bela peida mas por quê as pessoas falam como se fosse algo digno de escândalo?
Por que os tugas gostam tanto da França? Francamente (sem trocadilhos), acho Portugal muito mais fixe.
As pessoas enfatizam o que Portugal é um país pequeno (aliás, é uma das coisas que mais gosto no país), isso faz com que seja comum ver pessoas que trabalham na mídia a ruar? Sempre que vejo algum programa ou o que for, vejo os mesmos rostos, Rui Unas, Rita Camarneiro, Nuno Markl, Cezar Mourão, etc. Eu estava a ver o programa do Cezar e ele perguntava as pessoas sobre a Mariza e todos falavam dela como se conhecessem-na pessoalmente "adoro a Mariza, conheço-a desde de que era pequena".
Vocês fazem azeiteirices de propósito? Pá, olha o nome de várias localidades e sem falar em comidas tipo a foda, a punheta e também o arroz de grelo.
Por que vocês deixaram de usar a palavra marsápio? Melhor termo pra picha..
O que tem de bom em tremoços? Nunca os comi, tenho bué vontade, não se acham facilmente aqui.
Vocês entendem mirandês e galego?
Por que o Cabaret da Coxa não é um programa diário?
Que caralho significa "mas é"?!
Por que vocês misturam tanto inglês com português? Português é muito mais fixe. Parece-me que o jovem português é muito americanizado, ainda existe uma apreciação da cultura portuguesa entre eles?
Postarei as próximas dúvidas que eu tiver. Abraços à todos.
submitted by pedreirosarado to portugal [link] [comments]


2019.08.20 16:27 Amanda3exceler Intercâmbio nos Estados Unidos Mundial Intercâmbio

Intercâmbio nos Estados Unidos: 4º maior país do mundo

Fazer Intercâmbio nos Estados Unidos pela Mundial Intercâmbio, é conhecer o principal país do mundo, influenciando seus costumes e culturas para todo o mundo ocidental. Com mais de 300 milhões de habitantes, os Estados Unidos são uma experiência incrível.
Além disso, os Estados Unidos possuem a principal economia do mundo, a sua moeda é forte e é usada como referência para demonstrar dados econômicos.

Por que fazer Intercâmbio nos Estados Unidos?

Além de aprender o inglês, está oportunidade lhe permite conhecer muito sobre o país e seu povo progressista e apaixonado por esportes e pela fama.
Estudantes de todo mundo escolhem os Estados Unidos pelas possibilidades que o país proporciona de aprender ou aprimorar o inglês. O país permite diversas oportunidades de crescimento para todos. Você pode ir para várias cidades fazer o seu Intercâmbio em Nova York, Intercâmbio em São Francisco, Intercâmbio em Los Angeles.

Intercâmbio nos Estados Unidos: Pontos turísticos

Não conhece os Estados Unidos? São várias atrações e pontos turísticos que vão encantá-lo. Vamos conhecer:

Hollywood – Los Angeles

Difícil falar de Hollywood, simplesmente um dos lugares mais badalados do mundo inteiro. A casa oficial do cinema e principal centro de premiações do mundo do entretenimento. Lá você encontra a Calçada da Fama, o Museu de Cera das Estrelas, o letreiro mais famoso do universo, além de possivelmente encontrar algum artista famoso pela rua.

Times Square – New York

Tecnologia e diversidade cultural espalhados em alguns quarteirões dentro da cidade de New York. A Times Square reserva tudo aquilo que há de mais moderno e atraente como forma de tendências mundiais. Referência em todos aspectos, é impossível visitar as proximidades da cidade e não dar um pulinho para conhecer esse lugar ímpar!

Disney – Orlando

Em poucas palavras: Diversão sem fim! Uma verdadeira terra preparada para turistas conhecerem os encantos do universo do Mickey e da Minnie. Um dos lugares prediletos dos brasileiros que já foram visitar o Estados Unidos, e a viagem traz consigo grandes lembranças deste mundo mágico de Walt Disney.

Millenium Park – Chicago

O portão de visitas da cidade de Chicago. Um parque muito belo e moderno que te traz um momento mais gostoso com a natureza, em meio às loucuras que encontramos no passeio da cidade. Dentro do parque, também temos um encontro com a The Bean, uma grande bola de aço e outro importante ponto turístico da cidade, um perfeito lugar para se ver em novas formas e tirar milhões de fotos.

Centro Espacial da NASA – Houston

Uma aventura totalmente diferente de todos os pontos turísticos que você já deve ter visitado. Vamos ‘navegar’ através das galáxias e conhecer um pouco mais sobre o nosso planeta e tudo aquilo que há em volta. Uma experiência muito divertida e altamente recomendável para todas as idades. Um lugar único! National Aeronautics and Space Administration – NASA

Como é a moeda dos Estados Unidos?

Nos Estados Unidos a moeda nacional é o dólar, apresentado em cédulas de US$1, US$2, US$5, US$10, US$20, US$50 e US$100.

Qual é a língua oficial?

O idioma oficial dos Estados Unidos é o inglês.

Maior exportador de cultura do planeta

O país que mais exporta seus costumes e cultura para o mundo ocidental é o lar de mais de 300 milhões de habitantes, espalhados por cidades tão diferentes entre si quanto as semelhanças que as unem nos Estados Unidos da América.
São milhares de estudantes do mundo todo, que visitam ou moram no país para aprender Inglês, cursar um programa acadêmico ou curso de férias e se misturam uns aos outros nessa experiência incrível de vivenciar a cultura mais difundida do mundo.

Infinitas possibilidades de pontos turísticos

Entre uma aula e outra, são mil possibilidades de passeios e programas: praias da Califórnia, Flórida ou Hawaii, trilhas pelo Grand Canyon ou Yellowstone, teatros da Broadway, caminhadas pelo Central Park, Chicago, Seattle, Boston e Miami.
Cenários que fazem parte do nosso conhecimento virtual e que nos abraçam com uma familiaridade incrível, fazendo com que sempre dá vontade de voltar!
A grande sacada é que tudo que fizer parte da rotina será sem legenda, respirando o idioma Inglês o tempo todo e conhecendo gente de diversas partes do mundo, com o mesmo objetivo de aprender o idioma e fazer amigos.
E além de toda a atração turística, osEstados Unidos são uma experiência única de cultura acadêmica e conhecimento de novas tecnologias e planejamento social colocados em prática no dia-a-dia da população, que só faz aumentar a empatia com esse país tão presente em nosso imaginário e tão competente na arte de fazer encantar.

Conheça a Mundial Intercâmbio e saiba mais: https://www.mundialintercambio.com.b
submitted by Amanda3exceler to u/Amanda3exceler [link] [comments]


2016.03.09 18:38 Paralelo30 10 questões para entender o seguidismo à direita

Dez ideias que demonstram claramente o completo seguidismo da esquerda pequeno-burguesa à direita golpista
A esquerda pequeno-burguesa centrista, em particular a fauna morenista, procura se apresentar como sendo uma oposição revolucionária ao governo do PT. São eles o PSTU, correntes do PSol como o MES, Insurgência, CST, correntes morenistas menores como a LEMRT, Praxis, MRS e filo-morenistas como o MNN, LBI e outras ainda menores. No entanto, a marcha da situação política vem cada vez mais revelando que a sua política não é senão um eco distorcido da campanha da direita em prol do golpe de Estado.
Neste artigo apresentamos 10 ideias que demonstram claramente o completo seguidismo da esquerda pequeno-burguesa à direita golpista.
  1. A campanha é da direita – a esquerda pequeno-burguesa não pode reivindicar a autoria da campanha contra o atual governo. A campanha é obra do monopólio da imprensa capitalista (que alguns chamam de PIG, Partido da Imprensa Golpista) formado principalmente pela Rede Globo e redes de TV, jornal O Globo, a Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo, as revistas Veja, revista Época e Istoé e que são seguidos pela maioria dos grandes jornais burgueses regionais como o Zero Hora ou o Correio Braziliense e, no terreno parlamentar, pela dupla PSDB-DEM e outros partidos e personalidades da direita como Jair Bolsonaro. A esquerda pequeno-burguesa simplesmente acompanha esta gigantesca ofensiva dos grandes capitalistas, da direita e da extrema-direita. Estes grandes capitalistas, como ocorre em todos os países, atuam sob a orientação do imperialismo, em particular dos EUA. Os esquerdistas não explicam este fato e querem que acreditem que é o rabo que sacode o cachorro e não o contrário.
  2. A esquerda pequeno-burguesa repete caninamente a campanha da direita – Esta esquerda acompanhou a direita em toda a sua propaganda: corrupção, Copa do Mundo, “mensalão”, “petróleo”, ajuste fiscal etc. Não há na campanha da esquerda pequeno-burguesa absolutamente nada de original. Todos as palavras-de-ordem foram criadas e divulgadas pelo monopólio da imprensa. Nunca houve e não há nenhuma tentativa de se diferenciar da campanha da direita por parte desta parcela da esquerda.
  3. A esquerda pequeno-burguesa ignora os fascistas na rua – Desde o primeiro momento em que foi apontado o crescimento e o fortalecimento de um movimento de extrema-direita tendo como eixo a deposição do governo, a esquerda pequeno-burguesa tratou de ocultar este fato ou de retirar dele toda a sua importância. A frase mais ouvida desde 2013 foi a de que a direita não passava de “meia dúzia de gatos pingados”, ignorando a sua presença massiva nos órgãos do monopólio da imprensa (Reinaldo Azevedo, Rodrigo Constantino, Raquel Sheherazade, Demétrio Magnoli etc.). Quando a direita saiu às ruas massivamente em março de 2015, este fato não apenas não mudou a sua opinião, como tentaram traficar a ideia de que as manifestações que pediam “intervenção militar” e aplaudiam a Polícia Militar eram na realidade compostas de pessoas progressistas e indignadas com o governo que seguiam equivocamente a direita. A esquerda pequeno-burguesa não trava absolutamente nenhuma luta contra a direita e a extrema-direita.
  4. Confundem intencional e maliciosamente a luta contra o golpe com o apoio à política do governo – outra demonstração de que a frente única com a direita nada tem de involuntário e de inocente é o fato de que a esquerda pequeno-burguesa busca estigmatizar todos os que são contra o golpe como “governistas”. Esta falsificação evidente serve ao objetivo de intimidação e de assédio moral, coisa muito distante de uma discussão política democrática. Nada desse método truculento é utilizado, porém, em relação à direita, a qual praticamente nem é mencionada pela esquerda pequeno-burguesa centrista. Este método truculento e estas insinuações são apresentadas como uma grande luta revolucionária contra um poderoso inimigo. No entanto, é o contrário. Ser “governista” na atual situação, estar ao lado do PT, é defrontar-se com maior parte da imprensa capitalista, com uma classe média violenta, histérica e fanática, com a maioria dos grandes capitalistas, ou seja, nadar contra a corrente, ao passo que os opositores contam com um enorme apoio direto do grande capital nacional e estrangeiro.
  5. Utilizam o mesmo método da direita – a coincidência entre a pequena-burguesia direitista e esquerda pequeno-burguesa está longe de ser casual. Há uma identidade psicológica e política entre elas que é inconfundível. Ambas têm a mesma atitude histérica estimulada pelos grandes capitalistas, ambos substituem qualquer tentativa de convencimento e discussão política por uma política constante de intimidação, insultos e calúnias, um método típico do pequeno patrão com os seus subordinados. São dogmáticos e fanatizados e manifestam uma atitude moralista hipócrita que substitui a política e os interesses de classe.
  6. A esquerda pequeno-burguesa sempre negou o golpe, ocultando a conspiração direitista e dos grandes capitalistas – Desde o primeiro momento em que os sinais do golpe começaram a aparecer (no Brasil, porque em outros países já estava patente a política golpista do imperialismo) declararam o golpe como uma invenção e um “delírio”, uma vez que, segundo a sua análise, Dilma seria a “favorita do imperialismo”. Agora, que a imaginária Cinderela do imperialismo se revelou uma gata borralheira, deixaram de lado toda e qualquer fachada de análise e se dedicam a insultar e caluniar os que lutam contra o golpe. Mesmo diante do impeachment mantiveram o “fora Dilma”, querendo fazer crer aos ingênuos de que se trata de um “fora Dilma” diferente dos partidos de direita, da extrema-direita nas ruas e do monopólio da imprensa.
  7. A folha de parreira do golpismo, a luta contra o ajuste fiscal – a esquerda centrista tem procurado esconder o seu golpismo detrás do fato de que o governo está aplicando um ajuste fiscal. Está claro que esta questão não muda absolutamente nada no problema do golpe. O golpe não se coloca contra o ajuste, mas ao contrário, a favor de um ajuste muito mais amplo e muito mais profundo do que o do atual governo. Por outro lado, um posicionamento em torno do golpe não está subordinado à questão do ajuste fiscal, que é um problema secundário, mas em torno ao conjunto da política do imperialismo para a América Latina. Reduzir a questão ao problema do ajuste não apenas mostra uma extraordinária estreiteza política de caráter economista, como uma completa ausência de senso comum: se a política de ajustes é uma exigência do imperialismo e dos bancos e o PT está colocando em prática esta política, porque querem derrubar o governo? Outra questão chave: se os que querem o ajuste são o imperialismo e a direita, a derrubada de Dilma e a ascensão da direita ao poder somente vai fortalecer a direita e facilitar o ajuste mais radical possível. Sendo assim, fica claro que o ajuste é apenas uma tentativa de esconder o apoio ao golpe de Estado, pois os que realmente colocam o ajuste no centro da política nacional deveriam ser os primeiros a combater o golpe. É isto o que explica, portanto, que a “luta contra o ajuste” no meio da esquerda pequeno-burguesa não seja mais que palavras e propaganda eleitoral contra o governo.
  8. Um álibi pouco convincente, a política oportunista do PT – os esquerdistas defensores do golpe procuram justificar sua política enumerando dados da política oportunista do PT: alianças com setores burgueses e inclusive da direita, a adoção de determinadas políticas contra os trabalhadores etc. ou ainda, tomam carona na política da direita em questões como a corrupção e que se misturam com problemas que nada têm de real. Nada disso, no entanto, constitui motivo nem para apoiar o golpe, nem para a esquerda derrubar o governo, na hipótese unicamente imaginária de que ela fosse capaz disso. O PT é um governo da esquerda burguesa e substitui-lo somente pode significar, nesta situação, substitui-lo por um governo da direita burguesa, uma política que contraria todos os princípios táticos da luta revolucionária socialista. A função dos revolucionários não é a de derrubar governos a qualquer custo, mas fazer as próprias massas evoluírem para tomar o poder com base na sua experiência política. Aqui a tática é substituída pelo voluntarismo oportunista de conseguir uma beirada na campanha da direita contra o governo que é, ao mesmo tempo, uma campanha contra toda a esquerda, contra o comunismo, contra as políticas nacionalistas moderadas etc. Por outro lado, a crítica ao PT é puramente demagógica e não vai além das palavras. A esquerda pequeno-burguesa que procura se apresentar como alternativa, tem exatamente a mesma política do PT na prática, mudando apenas o discurso, para efeitos eleitorais. Basta ver que toda esta esquerda esteve no PT e apoiou a política do Partido durante um longo período, alguns até 2004, ou seja, depois da formação de frente políticas com a burguesia visando o poder político (que todos apoiaram) de desastrosos (do ponto de vista da classe operária) governos estaduais e municipais como os de Cristovam Buarque, Zeca do PT, Luiza Erundina, Marta Suplicy etc. Mais ainda, quando estiveram no governo, Macapé, nem mesmo com uma lupa se consegue distinguir aquele governo dos governos do PT, exceto para detrimento dele. Como credencial para já não digamos derrubar, mas até mesmo criticar os governos do PT, seu único mérito é não ter votos para chegar ao governo.
  9. Fora todos? Uma posição mal disfarçada a favor do impeachment – a palavra de ordem, detrás da qual agrupou-se a esquerda pequeno-burguesa golpista na sua totalidade é uma palavra de ordem destituída de sentido político, porque é impraticável neste momento, exceto no terreno dos sonhos ou serviria, em outras condições, apenas como uma propaganda muito geral. Significa derrubar todo o regime político burguês e seus partidos, em um momento em que, de conjunto, a classe operária atravessa um refluxo, travando apenas combates isolados. Seria como propor o socialismo para ser realizado imediatamente. Ocorre que, se as mentes da esquerda pequeno-burguesas pensam em termos abstratos, o mundo real é sempre concreto. No mundo real, a situação caracteriza-se da seguinte forma: a direita detém completamente a ofensiva política, dita a pauta nacional, colocando o impeachment como questão central da política nacional já há um ano e a esquerda não consegue sair deste corner. O governo está como Tróia cercada pelos exércitos gregos, sem maioria parlamentar, lutando apenas para conseguir pelo menos um terço dos votos para não ser derrubado. A direita ocupou as ruas, ameaçando expulsar a esquerda e já teria conseguido seu propósito completamente não fosse o movimento contra o golpe. Nessas condições concretas (e mesmo em condições muito melhores), o “Fora Todos” é completamente inócuo e só tem um caráter real em relação ao governo do PT. “Fora todos”, portanto, de um ponto de vista prático, significa apenas e tão somente “Fora Dilma” e serve para que alguns incautos participem do movimento “Fora Dilma” pensando que estão lutando para derrubar “todos”, sejam quem forem. Mas isso, não é tudo. A própria palavra de ordem é desonesta. Na realidade, não se trata de um verdadeiro “fora todos”, ainda que apenas na terra dos sonhos, mas de um fora Dilma como anzol, tendo o fora este e aquele outro como isca. Os demais incluídos nesta palavra de ordem servem apenas para decorar o Fora Dilma, até porque a palavra de ordem é formulada, desonestamente, como “Fora Dilma e......”, ou seja fora o governo e quem sabe mais alguém, mas o importante é o governo. É a política da extrema-direita, mas envergonhada, sob a pressão de uma parte considerável da política nacional.
  10. Uma posição golpista internacionalista – o mais interessante, depois de todo este debate nacional é que, acima de qualquer dúvida, nada nesta política tem a ver com os erros e acertos do PT, reais ou imaginários. Tanto a direita como a esquerda golpista têm exatamente a mesma posição em relação a vários outros governos no terreno internacional: apoiam a direita golpista latino-americana contra o chavismo, contra Rafael Correia, Evo Morales etc. Um caso mais marcante foi o do Egito onde a direita realizou um sangrento golpe de Estado apoiado pelos EUA, França, Inglaterra e Arábia Saudita e a esquerda o apoiou, propagando a ilusão de que se tratava de uma “revolução popular”. O golpe foi decisivo no que diz respeito à luta de todos os povos árabes e uma imensa vitória do imperialismo na política regional e mundial. Não por acaso, na época, esta mesma esquerda pequeno-burguesa enumerou todos os terríveis defeitos do governo que viria a ser derrubado, de Morsi, explicando porque deveríamos lutar contra ele e porque merecia ser derrubado. Morsi está condenado à pena capital com todos os seus defeitos e os militares e o imperialismo retomaram a ofensiva contra os povos da região que haviam se mobilizado na chamada Primavera Árabe, principalmente no Egito.
*Texto retirado do site do PCO (Partido da Causa Operária), atualmente fora do ar http://www.pco.org.besquerda/10-questoes-para-entender-o-seguidismo-a-direita/seza,e.html
submitted by Paralelo30 to BrasildoB [link] [comments]