Meu ex-namorado está namorando

O namorado de minha amada.

2020.09.22 21:25 hiroshibear O namorado de minha amada.

O título é interessante e por vezes pode ilustrar algo cômico. A situação na totalidade é confusa, complexa e cansativa, o que me fez repensar e evitar postar algo aqui durante um bom tempo.
Contudo nós cansamos, ficamos exaustos e precisamos absorver e observar com opiniões de outrem, que felizmente, não estão envolvidos e não possuem vínculos com nenhum dos citados aqui.
Conheço uma menina fazem alguns anos, nós sempre conversamos e tivemos uma relação interessantíssima. Ela é uma daquelas meninas que gostam de arte, de literatura, poesia e de estar em situações que liberam a adrenalina em seu estado mais puro.
Ela me contou que estava namorando e que estava feliz com isso. Prontamente desejei meus votos sinceros para o amor que continha a sua iniciação a partir daquele ponto.
Nós continuamos conversando, trocamos mensagens e saímos para tomar umas bebidas, entretanto sem malícia alguma, apenas na amizade mesmo. Éramos acompanhados por outros amigos e a nossa relação enquanto amizade estava intensa e belíssima. A realidade é que sou apaixonado por ela.
Cerca de alguns meses atrás, a recebi em minha casa, chorando e sem entender absolutamente nada. Os braços dela estavam machucados e ela estava com um olhar pesado, como de quem havia chorado muito e só gostaria de relaxar um pouco. A propósito, pouco a pouco as peças foram se encaixando e entendi a situação.
Fran estava sofrendo com ameaças, abusos emocionais e, em específico naquela noite, com uma agressão verbal e física. Ver ela daquela maneira corrompeu um pedaço de meu sentimento e chorei junto a ela.
Prontamente me coloquei a favor dela, deixando-me a sua total disposição, conversando e dando todo o suporte emocional que fosse necessário.
Fran me disse que iria terminar com ele na noite seguinte, por mensagem e que estava com medo de sofrer com represálias de amigos e parentes, além do medo de ocorrer ataques e perseguição vinda do Guilherme, que é o atual ex namorado dela, pasmem.
Estava exaltado, queria correr atrás dele enquanto precisava dar suporte e carinho para ela. Sou um homem que segue o lado racional, portanto, ela me mostrou todos os machucados e eu fiquei fazendo os curativos nela.
Quando eram por volta de três e meia da manhã, a chamei para ir dormir, e nós fomos. Ela tentou me beijar e eu recusei em respeito aos votos de fidelidade ao atual relacionamento.
Disse para ela que, caso quisesse ficar comigo, que teria que terminar o relacionamento primeiro. E que isso, embora ele possa até merecer, é algo injusto e que não cabe a mim. Fran concordou e se deitou ao meu lado para dormir.
Noutro dia tudo correu bem, ela terminou e me contou pessoalmente. A notícia se espalhou até que rapidamente, visto que nós moramos próximos de nossos amigos e somos quase que vizinhos um do outro.
Eu e Fran ficamos algumas vezes, transamos, trocamos cartinhas e todas as coisas fofas que vocês podem imaginar. Até chegarmos no estágio de anteontem.
Anteontem nós estávamos conversando sobre o futuro, e ela gradualmente foi me revelando suas inseguranças e seus planos. Me confessei para ela, disse tudo o que eu sentia, disse o quanto eu a amava e o quão seria bom ter ela todos os dias.
Fui retribuído, embora não fosse da forma que eu tenha pensado que ela faria. Acredito que a vergonha e a sinceridade da situação acabou ocasionando isso.
Agora, cá estou eu, pensando em como pedir Fran em namoro. Ela é uma menina bela, e eu a amo, amo o suficiente para querer ficar com ela durante toda a minha vida. O problema é que, assim que a pandemia acabar, ficarei mais distante fisicamente, pois terei que me mudar.
Ficarei um ano fora para resolver questões de família e ela poderia ir comigo caso pudesse e quisesse. Acredito que querer pode até ser que sim, todavia ela ainda está com certa dependência ao trabalho e ajuda a cuidar da mãe que está doente.
O que vocês fariam, amigos?
Fraternalmente, Anônimo do Reddit.
submitted by hiroshibear to desabafos [link] [comments]


2020.09.09 04:41 kriskastro Cada vez mais quebrado e tentando juntar os cacos

Gente, já li de tudo por aqui e adoro os temas sobre relacionamento. Dessa vez chegou a minha vez de desabafar. : PS: Sorry pelo textão, mas é que eu preciso externar um pouco de tudo pra ver se me serve de alguma coisa.
Já não sou mais um adolescente, mas também não chego a ser já um adulto de meia idade; mas tá perto rs. Tenho 27 anos, já beirando os 28. Nunca engatei definitivamente em um relacionamento sério e nem sei se sou preparado para isso efetivamente, serio mesmo. Minha família é meio fudi* sobre relacionamentos. Pais separados, confusões aqui e ali e até pelo que pude perceber sobre os que estão além dos meus pais, digo tios e tias, a situação não é muito animadora ou exemplar. Enfim, sinto até que de alguma forma por não ter bons exemplos ou referências em casa isso de alguma forma pode ter me afetado, me travado, ou até mesmo me ter deixado com um certo nível de ansiedade/panico. Sei lá. Moro com a minha mãe ainda e meu irmão mais novo.
Sou uma pessoa que simplesmente não sai e resolveu viver isolado na sua própria bolha; diria até que com poucos amigos próximos, digamos assim... (sabe daqueles que você pode literalmente contar com eles para o que der e vier? Pois é.). Já sou formado, pago as próprias contas, ajudo até de certa forma a segurar ainda a estrutura financeira abalada em casa. SIM, meu pai era o provedor do dinheiro como toda "família tradicional" brasileira; mas hoje me dia minha mãe já tem a fonte de renda dela que se complementa com a minha. E meu pai acho que ainda ajuda só por conta do meu irmão mais novo mesmo.
Enfim, sinto que o tempo vai passando e passando e a maneira como eu vivo hoje me incomoda. Não quero ter esse papel de "pai provedor" da família que eu ainda não tive, se é que me entendem. Sinto que preciso mudar e sair dessa zona de (des)conforto, mas ao mesmo tempo vivo um dilema entre a responsabilidade para com aqueles que estão comigo e a vontade de construir algo meu, a minha própria história. Agora assim, sair de casa pra (sobre)viver e ficar a ver navios é foda, até pq a vida sozinho é bad trip total. Nessa parte, já quero introduzir o tema o relacionamento que até então são inexistentes; penso que de alguma forma quando você tem alguém que vale a pena você lutar para que as coisas deem certo, e obviamente a pessoa também queira, de alguma forma os dois conseguem encontrar alguma felicidade em meio a tudo, mesmo diante das dificuldades.
Mas vamos lá que já estou é divagando aqui. Sobre relacionamentos: sou uma pessoa extramente fechada. Não saio. Como disse, sou de poucos ou quase nenhum amigo próximo. Não considero conhecidos ou colegas de trabalho como alguém que se pode contar muito, sabe. Obviamente pra não pirar da batatinha, pelo menos cresci aderindo ao hobby de jogar video games pra aliviar um pouco o estresse e até a deprê - na verdade herdei esse hobby da adolescência e acho que os sentimentos meio depressivos também. Tenho ps4 que mal jogo hoje em dia, mas ainda me divirto um pouco no pc com uma galera muito massa no lol kk. SIM. 27 anos jogando ainda League of Legends. Mas voltando... pra piorar um pouco, tenho de certa forma uma atração, ou sei lá um imã, pra garotas que são bem peculiares, digamos assim.
O meu primeiro contato na adolescência que talvez pudesse ter rendido um relacionamento foi com uma garota que conheci no Tinder. Eu deveria ter uns 17 anos mais ou menos. Nem tinha entrado na faculdade. Ela era gata e inteligentíssima, mas não me recordo o nome dela. Sente o drama: depois de semanas conversando e praticamente se descobrindo quase que nascidos um pro outro, ela me revelou que fazia tratamento para câncer e já faziam anos e mais anos na luta. As fotos dela eram de peruca, sabe. Tanto que depois de semanas ela começou a me mostrar as fotos já carequinha. Ela morava no interior e vinha de tempos em tempos aqui pra cidade fazer o tratamento dela. O namorado dela a deixou depois dessa bad trip. Enfim, um negócio pesadíssimo. Quase como A culpa é das estrelas. : O tempo passou, coisas aconteceram, a vida foi entrando numa velocidade frenética. A faculdade chegou, as provas, os semestres, os estágios, a rotina maluca e simplesmente fomos aos poucos deixando de nos falar e eu simplesmente não sei o final dessa história. Mas me arrependo quase que amargamente de não ter ido conhecer ela pessoalmente independente do desfecho.
Na faculdade, me apaixonei por uma garota. Mas nem vou me alongar muito. A thread da facul: depois de anos estudando juntos, me declarei pra essa garota e para minha surpresa uma amiga nossa em comum também fez a mesma coisa. A garota da história é bi e eu tinha total consciência sobre isso, mas só fiz o que meu coração mandou. Enfim, esse negócio não foi nem pra frente e nem pra trás. Nem eu e nem a nossa amiga em comum ficou/namorou essa garota. Mais uma vez o tempo foi passando e passando... até que terminei a faculdade e até onde tive notícias, hoje a garota que eu era apaixonado está namorando um cara aí. Enterrei esse amor e deixei o tempo cumprir o papel dele. Aconteceram outras coisas na faculdade também entre eu e uma outra miga, mas nem vou comentar pq não vem ao caso, simplesmente não era para ser e pronto e o pior é que até transa sem camisinha rolou kk #medo, mas calma que teve pilula e teste após isso. Então, nada de filhos não programados. Amém.
Após a facul e agora sim em um tempo mais recente. No trabalho, há uns dois anos atrás descobri que uma garota era perdidamente apaixonada por mim. Isso era novidade pra mim que já estava acostumado só com amor não correspondido, mas o drama aqui é que eu simplesmente não sentia a mesma coisa por ela. Olha só que ironia, não? Isso é foda, pq eu sabia como era gostar de alguém e isso não ser recíproco. Mas enfim, a garota foi demitida e com a demissão acho que foi-se qlq esperança de se construir algum amor - isso para os que acreditam que esse trem é construído tijolinho, por tijolinho. Eu só simplesmente não sei como funciona, desculpa.
Há seis meses atrás ou até mais, meu coração resolveu bater mais forte por alguém mais uma vez. Mais uma coisa que simplesmente não sei o pq diabos acontece, mas já aceitei que a vida é assim. Ela é uma colega de trabalho. O tempo passou, ficamos íntimos, conversamos muito, mas muito mesmo sobre absolutamente tudo. Literalmente tudo. A pandemia chegou e até hoje estamos de home office :p. O drama aqui é que eu resolvi me declarar para ela. Abri o jogo. Coloquei as cartas na mesa e joguei para ver o que iria dar. Como resposta tive um surpresa e um desagrado ao mesmo tempo. A surpresa foi em saber que ela se preocupa comigo tanto quanto eu me preocupo com ela, mas amigos... o sentimento que temos um do outro é bem diferente. Infelizmente! Ah e o drama aqui não vou entrar em muitos detalhes, mas a thread só não chega a ser pior do que a minha primeira história e a segunda. Talvez seja pior que a segunda. Envolve uma infância bem conturbada da parte dela, abusos do pai e até relacionamentos abusivos de ex. Mas como disse, não vou entrar em detalhes. Enfim, essa semana tive a noticia de que ela está com um cara ai e é isso, amigos. Mais uma vez quebrei-me em mais um monte de pedaços antes mesmo de saber o que é um relacionamento.
Agora assim, sabe o que é o pior de tudo? A sensação de baixa-autoestima que você acaba criando e acho que até uma certa ansiedade/nervosismo ou sei lá o que. Um sentimento quase como: qual é o meu problema? Será que eu não sou uma pessoa interessante? Estou fora do padrão do que costumam encontrar por ai? Enfim, neuroses que nem vale a pena perder tempo pra não cultivar bad trips. O tempo só vai passando e não há nada que eu possa fazer a respeito a não ser aceitar que as coisas são como são e pronto. E que simplesmente não sirvo para relacionamentos. Talvez isso me conforte de alguma forma.
submitted by kriskastro to desabafos [link] [comments]


2020.08.30 15:46 Luckman28 Decepcionado: Várias decepções com ela como namorada e agora mais uma com ela sendo Ex

Conheci uma mulher cerca de 4 anos atrás e no momento em que a conheci percebi que queria algo sério... Além de ser gentil, bem humorada e muito bonita, ela fazia eu me sentir bem e querer tê-la por perto, porém mal sabia eu que eu estaria entrando em um namoro onde eu seria a pessoa que sofreria de um relacionamento abusivo sem nem perceber que era abusivo e agora após me libertar disso, a pessoa continua a me decepcionar.
[Resumo (quem quiser ver as decepções é só pular o textão)] Ficamos juntos durante quase 3 anos, iniciando namoro 1 mês após termos nos conhecido (maio/2016 até dezembro/2019)... Na época que eu a conheci fiquei cego, deixando de lado relacionamentos com amigos de longa data, cortando laços com as pessoas que eu estava ficando e inclusive me afastando de minha própria familia... Tenho 28 anos, não me considero feio, sou formado, pós graduado, fluente em inglês, tenho carro sedam do ano, apartamento, sou músico com formação, acho que sou esteticamente bonito, trabalho em uma startup tendo um cargo de confiança e um salário bem acima da média... porém eu não ligo para nada disso, apesar de ser algo para me gabar, poucas pessoas sabem dessas coisas que alguns consideram qualidades, e não, não sou filho de papai, sou da periferia e batalhei muito para chegar onde estou, enfim.
Durante o início do namoro tudo eram rosas, até que as primeiras brigas e discussões começaram a acontecer e eu vi quem realmente ela era... Resumindo bastante o que rolou: já fui agredido, ela era extremamente ciumenta, tinha que vê-la todo dia da semana, recebia xingamentos, ela dizia coisas para me ferir de propósito, extremamente criticista, mentirosa e manipuladora... Eu praticamente virei um capacho dela. Ela não possui muitas condições financeiras e eu por ja ter conquistado uma certa estabilidade a ajudei e de diversas formas: de meia, eletrodomésticos, pagar faculdade e dar celular até viagens internacionais (sem cobrar 1 centavo dela), podem imaginar quaisquer outros mimos, dentro desses parâmetros... E não fiz para contar ao mundo, fiz porque a amava e queria que ela tivesse o maior conforto do planeta e ficasse feliz.
[decepções] Durante o namoro as decepções que acumularam giram em torno de ela ter mentido várias vezes, descobri através de um amigo que ela mantinha contato e enviava mensagens e fotos a ex namorados (um dos motivos que levaram ao término), descobri também que aparentemente só eu amava nesse relacionamento, que o motivo de ela estar comigo era puro interesse e porque para ela o namoro era cômodo.
Agora nessa pandemia ela voltou a ter contato comigo, me mandando mensagens constantes dizendo que queria voltar, aparentando ter mudado, pedindo desculpas e tudo mais, porém ontem eu descobri que ela está namorando há um bom tempo e mesmo assim ela tem agido com o atual dela da mesma forma que agiu durante o nosso namoro... Simplesmente perdi meu chão em saber que ela estando já com alguém ela tem me enviado mensagens querendo voltar, além de ter me pedido dinheiro emprestado (não emprestei), pedindo conselhos e me chamando para sair!!! O pior de tudo isso é que ela não me falou que está namorando com alguém ou seja estava querendo me usar, está usando outra pessoa e ninguém estava sabendo de nada!!!! (Agora eu estou, o cara lá eu não sei)
É triste saber que alguém dessa forma existe e mais triste ainda é por eu ter me envolvido com alguém assim.
submitted by Luckman28 to desabafos [link] [comments]


2020.08.20 05:49 muphax Descobri que meus amigos falavam mal de mim pelas costas

Eu já relatei alguns problemas com amizades aqui no desabafos, e hoje eu vejo o quão tolo eu fui em acreditar que eu era o erro e que nada acontecia sem meu conhecimento. Peço para que se contextualizem da situação com esse post, já que vai acabar sendo o desfecho - ou continuação - da história.
Depois da briga pelo kilt, um dos meus amigos foi falar comigo pedindo desculpas pelo surto. Até então, eu tinha decidido cortar as relações com os dois, já que dessa vez me impus e fiquei indiferente se eles iriam aceitar minha explicação ou não.
Acontece que depois de alguns dias, esse mesmo amigo que me pediu desculpas, me mostrou conversas, fotos e audios do meu outro amigo debochando, falando mal de mim e me expondo pra algumas pessoas. Nisso estão inclusos distorcer coisas que falei do meu ex namorado, me fazer parecer egocêntrico para outros, dizer que sugo a felicidade dos meus amigos e etc.
Claro que dentro desses acontecimentos tive culpa de alguns deles, e tal como me resolvi com um dos meus amigos, me resolvi com todos aqueles que eu tinha pendências, aparentemente deixando tudo bem.
Ainda assim essa pessoa continua a distorcer coisas sobre mim. Descobri que ela diz aos outros que eu forço amizade, já falou mal de mim para um cara que eu quase estava namorando e agora descobri que fala mal de mim até para pessoas que eu não conheci ainda então se tornou bem comum eu conhecer alguem e a pessoa já ter uma má impressão.
Tentei me distanciar, de unfollow nas redes, mas ainda assim ela continua me provocando. Não sei se não me importar seja a melhor alternativa, mas estou tomando coragem pra mandar mensagem pra ele amanha para ao menos pedir para parar de falar de mim.
Precisava desabafar, é algo que está sugando minha energia há alguns dias, porque por mais que eu não seja perfeito, eu também não sou o monstro que ele prega.
submitted by muphax to desabafos [link] [comments]


2020.06.13 01:43 OneTickEat Minha ex está me chantageando

Eu nunca imaginei que isso pudesse acontecer comigo, e nem sei como lidar.
Vou explicar a história. Eu acabei com a minha ex no começo do ano passado, principalmente por motivação dela. Tínhamos ficado juntos por alguns anos e, mesmo depois de terminarmos, ela era uma pessoa que eu tinha em alta conta.
Ela chegou a mostrar que queria voltar, mas não voltamos. Eu me formei, voltei pra minha cidade natal, e comecei a aplicar pra projetos no exterior. Conheci uma menina nova que é importante pra mim. Enfim, estava tocando meu barco.
Eu ainda mantia contato esporádico com a minha ex. Perguntei uma vez como ela estava na quarentena, etc. etc. Por uma questão de mínimo respeito e amizade.
Daí chegou a semana em que eu ia fazer minha primeira entrevista para um doutorado no exterior. O meu maior sonho nunca esteve tão próximo de se realizar. O resultado dessa entrevista seria capaz de alterar todo o curso da minha vida. Passei os três dias que tinha imerso no inglês, ouvindo podcasts, assistindo filmes sem legenda e lendo livros pra poder ficar com a língua bem fluente. Não podia falhar em nada.
No último dia antes da entrevista, minha ex mandou a mensagem: "você está namorando?". Imediatamente eu fiquei chateado. Sabia que vinha confusão pela frente, e a última coisa que eu precisava era que algo abalasse meu emocional. Pra acabar a conversa ali, eu disse "olha, você ainda mexe muito comigo, e eu estou lidando com coisas muito importantes no momento".
Eu quis ser vago e acabar a conversa. Também não ia dar explicações sobre a minha vida amorosa, afinal não tem nada a ver com ela. Mas hoje, no dia dos namorados, ela me manda o print dessa conversa. E diz:
"Já falou pra sua namorada que eu mexo muito com você? Antes de sair vou pensar sobre o que fazer de bom com isso"
Ela me chantageou. E eu não consigo nem conceber o tamanho da maldade que passa por uma pessoa que faz algo do tipo. Eu não me preocupo com ela mandar o print pra quem quer que seja, afinal não tenho problema nenhum em dizer que ela mexe muito comigo: me causa TRISTEZA.
Mas o que mais me causa tristeza é uma pessoa com quem eu já tive um relacionamento descer num nível tão baixo e ter a intenção de fazer o mal contra mim. Eu não entendo, e nem consigo lidar com isso.
submitted by OneTickEat to desabafos [link] [comments]


2020.04.28 07:23 hesnlt Pedido de ajuda.

Eu e meu noivo estamos juntos há quase dois anos... Nesse meio tempo já brigamos muito, principalmente por ciúmes da minha parte, não que ele seja do tipo "galinha" ou algo parecido, o problema é com a minha autoestima, me sinto muito inferior a ele visualmente falando, mesmo que ele diga que sou linda... Mas o problema passou a não ser mais esse. Nós moramos juntos agora, e notei que depois disso ele se distanciou um pouco, se tornou apático. Antes nós costumávamos ter uma certa frequência no sexo, hoje passamos dias e mais dias sem sequer nos tocar, antes quando éramos simples namorados vivíamos tendo momentos mais... Quentes, nós beijamos quase o tempo todo, mas hoje, tenho que pedir, e ele vem e me dá um selinho, não nos beijamos mais a não ser que estejamos transando. Eu o amo muito e sinto uma dor absurda com esse novo eu dele. Ele diz que me ama e em alguns momentos sinto isso, mas a falta de afeto e carinho estão me machucando bastante. Nós temos entre 20-30 anos, ainda somos jovens, o maior interesse dele são jogos no computador enquanto eu fico apenas existindo deitada na cama... Não sei o que fazer, sempre que penso em pôr um fim no relacionamento sinto uma dor imensurável, não consigo me imaginar sem ele, sempre que tento pensar em um futuro sem ele e talvez até namorando outra pessoa me sinto estranha, incompleta, vivendo uma farsa. Já sonhei várias vezes que nós tínhamos terminado e eu estava com outro homem, mas sempre buscando ele, ou terminando com o meu atual alegando ainda amar meu ex. Daqui a alguns dias estarei me mudando para outro estado, ficaremos distantes por meses e isso está me fazendo pensar em como eu ficarei com essa distância, mas por outro lado penso que já estamos distantes mesmo habitando o mesmo espaço
submitted by hesnlt to desabafos [link] [comments]


2019.10.10 06:44 pinho07 Como escolher o amor da sua vida? Se é q existe o amor da sua vida...

Estou confuso quanto a começar uma vida amorosa, nunca namorei, mas posso começar em breve, só preciso me decidir. Sei q pode parecer estranho alguém tratar coisas do coração de modo tão racional, como se fosse natural controlar o momento de amar ou não. Considero o namoro um relacionamento muito sério q exige tempo, paciência, maturidade, respeito, etc. Tenho medo de causar sofrimento na outra pessoa por não saber amá-la suficiente ou então criar falsas expectativas ou então me frustar com o término desse relacionamento sendo preterido. No fundo, fico achando nunca ser bom o bastante para o outro, enfim... inúmeros medos bobos. Acredito q a união de dois seres é algo de extrema importância na nossa vida, não q seja imprescindível ou obrigatória para se ter uma vida melhor, mas dessa união podemos dividir o peso da vida e crescer em amor, alegria, paz e harmonia.
Outra coisa q meio q acredito, mas tbm não estou convicto se é verdade, é se temos de fato uma pessoa ideal para vivermos uma experiência afetiva. Alguns dizem alma gêmeas, tampa da panela, outra metade, etc, como se antes de nascermos já estivesse "escrito nas estrelas" q teremos uma pessoa q está em algum lugar do universo e no momento mais apropriado iremos nos encontrar e a mágica vai acontecer. Meio q acredito nisso pq pra mim é fato q acontece com muitas pessoas ao se ver "um certo alguém" ter sensações marcantes, aparentemente inexplicáveis, tendo o coração batendo mais forte. Uns dizem q é química, outros q é afinidade magnética, outros q são relações advindas de vidas passadas. O famoso "amor a primeira vista". Dentro dessa lógica imagino q pra ser uma união legítima deve haver reciprocidade, tenho q perceber ou sentir q o outro naturalmente tbm sente algo diferente por mim.
Mas tbm entendo q talvez toda essa história seja uma distorção romântica das relações humanas, afinal não temos como precisar ao certo todos os níveis do envolvimento emocional, existem heurísticas, vieses, circunstâncias q manipulam nossas sensações. Quantos casos existem de casais q juravam ser par perfeito e depois se desiludiram ou o contrário, pessoas q a princípio nunca se imaginaram juntas e depois passam a viver "felizes para sempre".
Diante disso, quando me sinto atraído por alguém interpreto q não necessariamente isso quer dizer ser preciso um envolvimento amoroso mais sério, busco controlar meus sentimentos e mesmo estando interessado procuro não demonstrar. Espero o tempo passar pra saber se realmente gosto da pessoa, busco conhecê-la melhor, quero ter a certeza de não ser "fogo de palha" ou uma paixonite de adolescente.
Diante de tudo isso, fico na dúvida: será q se começar a namorar com tal pessoa estarei namorando com a pessoa certa na minha vida? Ou será q tenho q esperar mais um pouco? Na escala de 1 a 10 da reação química ideal entre dois seres talvez essa pessoa q acho ser a pessoa certa está no nível 9, pode acontecer de na semana seguinte encontrar outra q está no nível 10 ou seria 9,9? Esse jogo do amor é perigoso, parece q funciona na tentativa e erro, não quero crer na maldosa frase "enquanto não encontro a pessoa certa, vou me divertindo com as erradas".
Estou num dilema, há mais de um ano tive um encontro fortuito com uma menina bem reservada da faculdade, trocamos olhares e conversas, e me senti muito impactado e atraído por ela. Juro q desde então nunca mais deixei de pensar nela, acho q em todos os dias. Peguei o contato dela, depois disso tivemos conversas esparsas pelo zap, temos muita afinidade de ideias e até chegamos a nos encontrar em alguns finais de eventos q curtimos em comum, mas como já era tarde da noite e o ambiente tumultuado só ficamos nos abraços e sorrisos. Na faculdade é difícil nos vermos e quando isso acontece é sempre corrido, estudamos de noite e os horários não batem pq somos de cursos diferentes. Eu tbm meio q fujo dela, ando pelos corredores evitando encontrá-la, pq não saberia como reagir. Não gosto de estender muito as conversas, pq perco um pouco do controle quando a vejo, fico pálido e me dá taquicardia, não gostaria de demonstrar às claras meus sentimentos. Na vdd, nem conheço ela direito, isso td pode ser fantasia da minha cabeça, devaneios pretensiosos, às vezes ela só me trata como um amigo distante, apesar de já ter me surpreendido com uma demonstrações de carinho fora da faculdade por meio de um bilhetinho escrito a mão q ela pediu q outra pessoa me entregasse. Somos de bairros distantes dentro da mesma cidade e eu presumo ela não quer compromisso nesse atual momento de sua vida. Por enquanto não revelo meu amor carnal, fico no platônico enquanto os medos bobos não vão embora.
Pra apimentar a história, surge um outro alguém, uma amiga de longa data q sempre achei delicada, bonita e singela, mas como ela era alguns anos mais velha q eu, acho q 2 anos, não me imaginei namorar com ela. Ela hj está mais madura e bem mais próxima de mim. Quando nos encontramos percebo o acanhamento dela, mas nas msgs suas carinhas de emojis são sempre afetuosas comigo. No pouco q ficamos juntos ela já me contou da sua vida pessoal, do seu ex-namorado, dos seus planos e incertezas. Ela é bem mais aberta comigo do q a outra, isso tbm se deve pq já nos conhecemos a mais tempo. Meu coração tbm diz q talvez podemos namorar, mas não tive aquele amor a primeira vista como foi com a outra. Sou sempre cordial e amigo com elas, evito entrar em assunto mais voltado quanto aos meus sentimentos por elas. Só q nesse último mês estou sendo impelido a me manifestar.
Aff... pq eu não me resolvo quanto a isso?
submitted by pinho07 to desabafos [link] [comments]


2019.07.27 11:13 EuSoQueroQue Para vc que amei

(Escrevi essa carta pensando em não mostrar para ninguém. Mas não teve o efeito que eu esperava. Quem sabe se outras pessoas lessem)
Oi, tudo bem?
Menos de uma semana atrás eu te mandei uma mensagem sobre um filme que assisti. Dessa vez vc respondeu. Foi educada, mas não continuou a conversa. Para mim foi o suficiente para achar que desta vez a msg tinha alguma chance de virar uma conversa, então fiquei tentando pensar em como puxar assunto. Não quis usar perguntas pq não queria fazer vc se sentir obrigada a responder. Pensei em te contar sobre a minha vida, que mudou bastante nos últimos 2 anos.
Mas achei que esse seria um bom assunto para quando finalmente conversarmos em pessoa. Acabei escolhendo um elogio, a maravilhosa habilidade que vc tem e sempre me deixou com inveja foi a capacidade de ter assuntos e manter uma conversa saudável. Mandei essa mensagem,
Agora acho que vc pode estar interpretando como se eu estivesse sendo "passive-aggressive", como que reclamando de vc ter sido "apenas" educada e não continuada a trocar msgs.
Eu odeio que a parte de mim que tenho te mostrado nos últimos 10 anos foram de msgs nos momentos que estive mais triste, solitário ou fragilizado de alguma maneira. Toda vez que paro para pensar, sei que estas msgs só servem para te afastar ainda mais de mim. Mas, acho que saber que vc está do outro lado, ainda que não me ouvindo, tem me feito bem.
Anteontem te mandei outra mensagem. Desta vez mais parecida com uma conversa saudável. Contei que mudei de emprego, de cidade, perguntei como vc está. Dessa vez o resultado foi muito diferente. Não quanto a sua resposta, mas que poucas horas depois de enviar a msg a minha "crise" atual melhorou bastante. Ao ponto de achar que eu estava bem, pelo menos até a próx crise daqui 2 ou 4 anos.
Foi pensando nesse bem estar que resolvi escrever esses sentimentos. "Talvez seja o processo de transformar seus sentimentos em palavras que tenha tido o efeito benéfico." Decidi que, da próx vez que eu realmente precisasse dizer alguma coisa, escreveria neste papel. Não demorou para meus pensamentos estarem cheios de novo.
Assisti um vídeo sobre relações abusivas, e me corta o coração identificar atitudes minhas como as de um namorado abusivo. Eu me odeio por todo mal que já te fiz e nem pedi desculpas. (...) Agora me lembro que eu cheguei a me desculpar por ter te ignorado naquele churrasco, mas o verdadeiro peso daquelas ações só entendi agora, que o vídeo citou explicitamente que ignorar seu parceiro em um ambiente público é uma atitude abusiva e altamente prejudicial.
Hoje eu entendo que usava o silêncio como uma arma contra você. E só posso imaginar o quanto isso te machucou.
(...)
Passei alguns minutos discutindo comigo mesmo se deveria escrever pensamentos que provavelmente irão te afastar ainda mais de mim. Escrevo com o sentimento de te mostrar, mas sem intenção real de te enviar ou mostrar esse caderninho. Por isso mesmo não faz sentido não ser honesto com o papel. Oras, ser menos honesto e escolher quais pensamentos escrever são resquícios do comportamento manipulativo meu. Como se mesmo uma carta de desabafo, que nunca será mostrada devesse ser escrita com a intenção de te convencer a conviver de novo comigo.
Até pq se eu não consigo expressar meus sentimentos para um pedaço de papel, como poderia expressá-los para você?
Os pensamentos, que meu lado medroso queria deixar de fora desta carta, era que se eu consigo hoje identificar atitudes tão tóxicas em como eu era quando estávamos juntos, provavelmente existiam outros que eu nem entendo como problemáticos. Pensei também que, quando vc me ignora nas estúpidas msgs que envio, está apenas se protegendo de uma pessoa... tóxica? abusiva?
Eu já não sei o quanto estou sendo realista ou apenas sendo auto depreciativo. Esse comportamento provavelmente é outra característica abusiva minha.
Não sei se chegou a ver o filme "before the sunset", imagino que ainda não. Passou menos de 1 semana desde que te disse para ver.
Eu gostaria muito de te dizer que quis te recomendar o filme principalmente por 2 motivos:
O tom da conversa que os personagens tem. Como se o tempo que passou não fizesse diferença nenhuma e eles fossem bons amigos durante todos estes anos. Queria que vc lêsse as minhas msgs para vc com esse tom, de maneira meio leve, meio pesada, mas principalmente honesta.
Eu sei que, em termos de voltarmos a ficar juntos, não entrar em contato e deixar o acaso nos juntar seria mais efetivo. Mesmo que demorasse muitos anos. Mas só de pensar em isso não acontecer eu sou tomado por uma tristeza, um sentimento de vazio.
O segundo ponto do filme que queria muito conversar com vc, é quando a mulher diz: "I was fine until i read your book"
Com ctz vc já percebeu que isso acontece bastante comigo. A maior parte das vezes eu me lembro de vc com saudades e carinho, e um gosto bitter sweet que fica na boca. As vezes, como essa de agora, a saudade fica demais. Eu não me controlo e acabo mandando alguma msg torcendo que encontre vc em um momento parecido, e consiga transformar a distância entre nós em uma conversa como a do filme.
MAS, eu nem sei se vc tem a mesma saudade que eu sinto por vc. Quando penso em como fui com vc, imagino que fui apenas uma fase ruim, que vc seria mais feliz se não tivesse me conhecido. Ao mesmo tempo, eu me recuso a acreditar que seja possível sentir tanta saudade de alguém que não sente a sua falta.
Acabo me convencendo que a única diferença é que vc tem um auto-controle melhor que o meu. Que as suas crises de saudades acontecem, quando alguma música ou filme te lembram de mim, mas que vc não me procura de maneiras bobas como eu faço com vc.
Me lembro de uma vez que vc me pediu uma receita, que fazia quase 9 anos que não comia aquilo. Eu devo ter te respondido de algum jeito ruim, pq quando te perguntei dos cookies que vc fez para mim um dia, não me respondeu mais. Essa vez eu fiquei muito confuso. Inicialmente achei que vc queria conversar como amigos apenas, mas quando não me respondeu pensei que vc continuava com aquela filosofia boba de "ex bom é ex morto". Fiquei com raiva. Vc me ignorava quando eu tentava algum contato, mas me pedia coisas qdo tinha algo a ganhar.
Quando a raiva passou, pensei que poderia ser saudade que te fez mandar as msgs, e não sabia o que fazer com essa possibilidade. Eu queria que fosse verdade, como se uma confirmação que eu fui importante para vc como vc foi para mim.
(...)
Agora, escrevendo, me lembro de vc comentando que eu pedi um tempo no namoro "do nada" ou algo do tipo. Metade dos motivos eu tenho ctz que já tinha reclamado para vc antes, e vc não fez esforços para melhorar. Era o jeito como vc tratava seus amigos homens, dando muita liberdade, inclusive quanto a contato corporal, de abraços por trás e cócegas. Essas atitudes me machucavem tanto nos meus ciúmes quanto nas minhas inseguranças. Aquele dia que eu tentei fazer cócegas em você e não consegui me incomoda até hoje. Ver um amigo seu te fazer cócegas, o jeito que vc ria, acabou comigo naquele momento.
A segunda metade de pq eu quis das um tempo, essa é a parte mais difícil de confessar. Gostaria de te dizer em pessoa, mas muito provavelmente eu nunca vou ter a oportunidade.
Quando a gente já não estava tão bem juntos, apereceu alguém.
Era uma mulher muito bonita e simpática. Acho que tanto eu como ela sentimos uma conexão, daquelas que vc sabe que a outra pessoa tb tem?! Bom, começamos a conversar mais. Me sentir próximo de alguém no mesmo momento que me sentia distante de vc me confundiu bastante. Hoje eu entendo que foi apenas um "crush" e que a gente não controla com quem vai se sentir atraído. Mas na minha cabeça isso era inaceitável. Sentir-se atraído por outra mulher era incompatível com a minha definição de amor.
Se eu tivesse na época o pouco de maturidade que tenho hoje, eu saberia que esse sentimento não significava nada. Que não havia necessidade de passar nenum dia longe de vc.
Lambrar dos meses seguintes, quando tínhamos separado mas não de verdade, Vc quis voltar a ficar juntos, eu não quis. Depois eu quis, vc não. Aí inverte mais uma vez, e depois outra. Como se fosse um problema de desencontros ou timing.
Mesmo quando estávamos namorando, toda vez que acontecia a menor das brigas eu demorava para processar meus sentimentos. Até lá vc já tinha se cansado de tentar me animar, tentar me ajudar a me abrir mais. Então, quando eu finalmente superava o motivo inicial da briga, vc estava agora chateada comigo por ter sido tão frio e distante durante a briga.
Talvez se vc tivesse mais paciência com a minha demora em digerir emoções. Talvez se eu fosse mais maduro emocionamente. Eu já não sei mais.
Só sei que é tarde demais para pedir desculpas. Eu imagino que vc me veja como o ex abusivo, que ainda tenta entrar em contato apenas para ser manipulativo. Mas eu só quero que vc saiba que eu estou pensando em vc. Que eu te vejo como a pessoa mais importante a passar na minha vida até hoje.
Eu só quero que vc saiba que eu te vejo como no filme, que um dia vamos nos encontrar, sem horários, sem relacionamentos, e que nesse dia nós vamos conversar natural e honestamente, e se não for para ficarmos juntos, que pelo menos eu consiga te pedir desculpas.
Desculpas por todas as lágrimas que eu te fiz derramar.
Desculpas por todas as brigas que não deveriam ter existido.
submitted by EuSoQueroQue to desabafos [link] [comments]


2018.09.02 08:28 Inferpool Devo investir nela novamente?

Estou no terceiro ano do ensino médio, me considero um cara inteligente, suficientemente bonito e sou muito confiante em relação à mim. Sei que posso parecer esnobe, mas estudo em uma escola onde sinto que nenhum dos outros alunos está no meu nível intelectual com exceção de uma garota da minha sala. Ah, que garota! O mais interessante de ser acostumado a ter essa sensação de "solidão egoísta" é que quando alguém foge dos padrões um olhar mais curioso se desperta em relação à essa pessoa. Ela era mais inteligente e mais linda que qualquer outra garota que já vi em toda a minha vida.
Já faz 5 anos que a conheci. Estonteante desde suas primeiras palavras. Minha primeira experiência do que considero amor.
Na época, ainda eramos crianças. Só de imaginar algo entre nós já era ousadia. Escondi meus sentimentos sem motivos até que fosse tarde demais. Ela estava namorando meu amigo.
O tempo passou e muita coisa mudou. Nossos caminhos se cruzaram novamente e tive a coragem de expressar meus sentimentos. Ao invés de criar discursos desesperados, covardes e contraditórios como fizera em outros tempos, demonstrei o quanto ela importava pra mim e foi recíproco. Ela sabia que eu sempre estaria lá pra ela.
Tivemos um relacionamento curto e um tanto conturbado devido à relação dela com seu pai, que agia de forma super-protetora com medo de que seguisse os caminhos promíscuos de sua irmã. Embora nunca tenha negado seu amor por mim, sentia uma sensação estranha toda vez que nos beijávamos e "travava". Houveram vezes em que tomou a iniciativa e me beijou sem tantos problemas.
Ela nunca conseguiu entender o que era.. achava que tinha algo a ver com um ex-namorado com o qual tinha tido algo mal-resolvido, mas assim que resolveu esse tal problema disse que a sensação continuava a vir quando "ficávamos".
Depois que ela me disse que nada tinha mudado, começou a vir com papos de que não estava apta a ter um relacionamento sério no momento por questões psicológicas (pelo fato anteriormente citado) e acadêmicas (vestibular) e eu percebi que era o fim. Paramos de nos falar.
Cerca de duas semana depois descobri que ela estava ficando com um outro garoto de minha sala e que já almejava um relacionamento sério com ele, que não queria. Contraditório, não? Pensei em interferir para que o garoto não fosse tapeado mas ao mesmo tempo queria a felicidade dela e nada mais.. se aquilo a fazia feliz, eu estava satisfeito.
Voltando de férias, após descobrir que o relacionamento não tinha ido pra frente e que tinha tentado voltar com aquele ex que a deixara confusa - o que também não deu certo - pensei que era o momento de voltar a falar com ela.
Fui chamado pra um almoço em sua casa onde esse tal ex também estava. No começo, estava me dando bem com todos mas comecei a passar mal e tive de ir embora. Todos acharam que era por causa desse sujeito e que eu não estava confortável com a situação. Logo a chamei pra conversar pois até mesmo eu estava confuso com o ocorrido. Foi então que ela me disse que eu deveria decidir de uma vez por todas se queria mesmo voltar a falar com ela.. respondi que sim.
Agora estou em um dos maiores dilemas de minha vida.. após tanto me magoar por causa dela, me sinto inseguro de investir meu tempo e energia por nós, mas ao mesmo tempo, como vou me mudar ano que vem, sinto que estou perdendo minha ultima oportunidade de me relacionar com essa pessoa que pode ser o grande amor da minha vida. PS:Já me relacionei com outras mulheres enquanto a conhecia mas nenhuma nunca a substituiu.
submitted by Inferpool to desabafos [link] [comments]


2018.03.30 05:19 romarioSant O Dia em que vi a pessoa que mais amei morrer na minha frente.

Bom dia, esse é o meu primeiro post aqui. PS: Esse morrer do titulo tem mais haver com algo sentimental do que falecimento em si. Gostaria de contar um pouco de minha historia e como cheguei ao fundo do maravilhoso poço em que vivo. Talvez fique um pouco grande pois tenho a mania de me extender em minhas historias
A 4 anos eu conheci uma garota, uma garota que considerei "Especial". É muito interessante essa palavra pois hoje me dia eu acho ela tola, a mania das pessoas em Tornar qualquer ato ou pessoa especial faz com que ela se torne algo futil (minha opinial) mas nesse caso, n consigo achar outra definição.
Eu conheci ela em um curso, ela parecia sempre sozinha, tinha uma cara de mal encarada, era gordinha e baixinha, nada perto do "padrao" porem bastou uma unica conversa e pá... la estava eu a tarde pensando: que garota interessante...
não sou uma pessoa muito amigavel, uma psicologa ja me descreveu como sadista, mas o que isso tem haver? tudo!!! não ligo muito para familia, eu tenho um enorme prazer em ver coisas ruins acontecer e felizmente tenho a virtude de nao sentir muita pena ou dó por pessoas, posso até sentir... mas n farei nada sobre isso... vcs dever estar agora pensando: putz, ele é apeas um cuzão do krl. Mas digo que nunca fiz mal nenhum a ninguem que n mereça, digo, coisas como bullyng e pressao psicologica por exemplo: Na minha escola por muitos anos sofri bulling por ser o gordinho nerdão e por n ter um porte fisico descente obviamente n conseguiria bater de frente com eles, entao encontrei um outro meio de fazer isso com a internet, descobrindo coisas do passado que os afetavam, fazendo montagens e obviamente usando um perfil fake fazendo o Zoador ser zoado na escola... coisas assim.
Por ter esse tipo de perfil muitas vezes só de olhar pra pessoa eu falo: "nunca serei amigo disso", gosto de no meu PENSAMENTO tratar pessoas com inferioridade, nao para me sentir uma pessoa melhor q ela... para olhar pra ela e ver quao bosta ela é. Um pensamento altruista talvez... que me fez escolher muito bem meus amigos q hj eu "confio" em cada um (porque obvio que é impossivel se confiar em alguem, n importa o quanto ele seja prossimo).
Voltando ao principal... Os meus dias de curso se tornaram mais interessantes, adorava a compania dela. adarava ver era xingando os outros, esculachando, a cara de cu de quanto a contradiziam, adorava conversar com ela... era diferente... sabe o porque? por algum motivo eu achava q ela parecia comigo. eu sempre tive uma mania de me defender de quem eu gostava... por ser uma pessoa antisocial sempre quando percebia q estava gostando de alguem eu falava: "ah, é facil, vou ignorar essa pessoa e bloq de todas as redes sociais assim ela para de falar comigo, é um pouco doloroso, mas vai ser melhor assim". PS: adoro sentir essa dor de perda. Visto esse pensamento automatico, pensei, ok, só fazer isso... mas ehh... n foi bem assim. Essa garota ela tinha algo estranho, ela consegui me anular. como assim??? antes de EU ignorar ela, ela me ignorava e por algum motivo fazia EU correr atras, ela sabia de tudo que eu ia fazer, e fazia antes e o melhor de tudo, sinto que era Automatico dela e n intencional... as nossas conversas acabaram se tornando mais raras pois ela me ignorava a maioria das vezes (n de me deixar no vacuo e sim por acabar com a conversa rapido) porem quando conseguiamos conversar... fluia de uma maneira encantadora, uma mistura de odio em conjuto, um pouco de amor, a romantização daquilo que a de pior no mundo, eu conseguia perfeitamente olhar no espelho e ver o quanto eu estava perdido.
Assunto de nossas conversas era sempre sobre algo tragico que odiavamos, era muito estranho como quase 100% concordava-mos com tudo, seria isso uma mentira? seria ela me enganado para achar q eramos iguais? por hra n sei, mas enfim... odiavamos as mesmas pessoas, desejavamos mal a todos os otarios que viamos pela rua, conversavamos sobre o quao baixo nós eramos e quao inferiores eram as outras pessoas, odiavamos aqueles "famosinhos" q iam a festas e tiravam fotos com bebidas, fumando e discutimos o quao escroto agente achava isso... era lindo.
anos conversando, nosso "relacionamento"(amizade) ia a vinha com isso de ela me ignorar e eu ignorar ela etc... até que chegou em um momento que achei q n dava mais e falei pra ela o que sentia... ela demorou a responder... achei q iria me ignorar mas ela respondeu... da maneira mais linda possivel...: "ja imaginava, mas n, n sinto nada por voce... desculpe... na verdade esse "desculpe" foi por educação, pois no fundo eu n me sinto culpada." . . . eu sorri... depois ri... e então bati palmas nada... mas NADA iria tirar esse sentimento de mim naquele momento.
então fiquei pensando... quão otario sou para achar isso incrivel? essa maneira rude de falar... seria exatamente o que eu falaria para alguem...
por incrivel que pareça nosso "relacionamento" melhorou, conversavamos diariamente sobre assuntos aleatorios, estava achando que aquele era o meu momento... parecia q estava vacinado, conseguia olhar na cara dela e falar "eu gosto de voce" até que chegou um dia... tenho isso guardado em mim... ela disse que tinha um garoto q estava a incomodando e estava a chateando... ela disse q ele queria ficar com ela mas ela n queria, porem ela n queria me contar pois tinha um serto respeito por mim e meus sentimentos...
eu fiquei lendo essa frase por alguns minutos... repetindo na minha cabeça, "essa foi a coisa mais doce que ela ja me disse" achando que esse seirao mais fundo que poderia chegar, ela completa: "fico feliz que vc n tenha parado de falar comigo, acho que vc foi bem maduro e quero q saiba q eu respondi NÃO mas SAIBA QUE AINDA ESTOU PENSANDO SOBRE ISSO, NAO SEI AO CERTO SOBRE MEUS SENTIMENTOS POIS GOSTO DE CONVERSAR COM VOCE, POREM N QUERIA DIZER AQUELA HORA PARA N CRIAR ESPECTATIVA"
minha cara congelou, n sabia o que responder, era um sentimento de felicidade estranho que n se baseava em odio e desgraça que me fez deitar e pensar "acho q essa garota quer me matar" eu sentia que estava sendo alimentado algo que n devia, porem algo que eu queria.
sem nenhuma reação a convido para ir no cinema, que ainda depois iriamos sentar na praça e falar mal de todas as pessoas q passariam por ali... seria um programa incrivel para nós. e ela aceitou... nada seria tão perfeito... antes que pensem, n queria sair para "ficar com ela", eu queria apenas estar perto. um dia antes de sairmos, ela me envia uma menssagem desmarcando pois tinha contecido algo que n lembro, obviamente fico triste, remarcamos o dia, 1h antes de eu sair... ela me envia menssagem, desmarcando... nesse momento sorri ironicamente, pensei "nao... impossivel... ela n ta fazendo isso..." no momento falei: desisto... isso n vai acontecer e então ela me envia uma menssagem do nada "amanha, as X horas, pegar ou largar"... filha da puta... confirmei.
Nesse dia sai de casa apreensivo,no meio da caminho recebo uma ligação, era ela dizendo "Voce está atrazado", nao poderia receber algo melhor. e nessa hora começou o que eu chamo de O MELHOR - PIOR DIA DA MINHA VIDA. chegando compramos os ingressos e fomos assistir o filme... falamos mal do filme do inicio ao sim, mas o pior, o pior estava do meu lado, eu estava muito proximo, eu sentia ela ali, eu olhava pro lado, eu queria morrer, eu sentia q eu poderia morrer a todo instante... eu queria tocar nela, aprenas segurar a mão, ela frequentemente vinha ao meu ouvido e falava alguma coisa ruim, aquilo estava me deixando louco... depois que o filme acabou, eu estava chocado... quão fraco eu sou??? fui ao banheiro e me olhei no espelho... eu via uma pessoa ridicula ali. logo quando chegamos ela falava frequentemente q tinha q ir embora no hora X e isso estava me deixando cheteado pois parecia q ela estava ali por abrigação, mas sinto que depois do filme... ela parecia ter esquecido disso... passamos algumas horas vagando por ai... falando mal das coisas... eu momentaneamente senti paz. Na hora de ir embora ela disse q a mae dela iria buscala de carro, ficamos na frente do shopping discutindo sobre a vida. até q o celular dela toca... era a mae... desligando ela vira pra mim e fala "fica longe de mim, ja pode ir embora". ja estava de noite e estava meio deserto, n iria deixar ela ali sozinha. como um bom otario esperei a mae dela chegar ir em bora. quando fui embora... cheguei a um amigo e falei "tive o pior dia da minha vida". Ele respondeu o obvio "vc ja percebeu q essa garota só te faz mal?? por que vc gosta dessa otaria?" não soube responder... Depois desse dia eu fiquei muito confuso no que fazer, n sabia se deveria continuar... porem nesse meio tmepo eu estava conhecendo uma outra garota q estava com problemas, ela precisava de mudar urgente e falou q nao bancaria uma casa sozinha, e me convidou... eu, como n me dou muito bem com minha familia falei sim na hora, n via a hora... com o tempo e morando jundo com essa garota eu e ela acabamos ficando e logo em seguida namorando...(afinal... quem sabe agnt n esquece a outra babaca) tolisse minha... se passaram 3 meses morando na casa... EU QUERIA MORRER porque??? essa garota ela tinha problemas emocionais q eu achava banais, problemas com a familia e com Ex-namorados, era escroto, ela tentava ser gentill e eu odiava o jeito dela... pessoas gentis demais são burras e ela só fazia merda atras de merda... eu estava com muito ódio... porem por estar com ela eu me afastava mais da outra garota q eu gostava (que nunca deixei de gostar) e isso estava me deixando muito irritado, acabei bolando um plano... como eu tinha um contrato com a casa por 1 anos, pensei em fazer ela terminar comigo (como eu disse, n me importo muito com as pessoas entao... foda-se) passei a ser uma pessoa amarga. eu via ela chorar porque estava triste mas não sentia pena, n sentia remosso, quando ela chorava eu tinha vontade de morrer, pois precisava consola-la pois se eu n fizesse ele iria chorar mais ainda me causando mais estress. eu olhava pra ela e pensava "isso é muuuito distante do que eu senti naquele dia no Cinema" até que consegui terminar... ela ficou estremamente puta... falou um monte de merda pra mim, gritou comigo... sentei e ouvi calado... eu sabia q aquilo era parte do meu plano, aquele e ela descrevia n era eu... no fim... consegui sair da casa, mas durou quase 1 ano.
(hoje em dia) ao voltar a minha antiga cidade, perto do calor do inferno da minha familia eu olhei e tentei falar com ela... a garota. mas era diferente ela não estava igual, ou não parecia. porem obvio, eu sumi por a desgraça de um ano praticamente, não sinto no direito de falar um "oi" pra ela. passei por todos esses problemas na casa meio que "sozinho", nao contei para ninguem, porem vejo muita gente achando que eu os "abandonei" mas... como vou falar pra eles que nao??? mesmo nao querendo eu fiz isso. então vejo ela hoje, indo pra lugares q achei q ela jamais iria, falando com pessoas q costumavamos virar noite falando mal, me fez me perguntar... uma pessoa pode mudar assim? tao rapido. Sinto que como se ela tivesse morrido, morrido de verdade, aquela garota q costumava virar noites conversando... n existe mais?? porem talvez essa n é a pergunta que eu tenha q fazer, e sim: Quando eu morri??? reflito sobre mim mesmo... sim, acho q fiz isso tambem, não sou diferente daqueles que odeio, estou no mesmo poço de insignificancia. Acho q isso é mais um desabafo do que um pedido de ajuda... ja conversei com amigos e eles falam "procura um psicologo" porem n sinto que preciso, me sinto bem. "Ah, mas n é normal alguem se sentir assim" eu confesso que n ligo... acho lindo ver a decadencia, mesmo que seja a minha.
submitted by romarioSant to desabafos [link] [comments]